Moeda: Clima: Marés:
Início Executivo

Bolsonaro: ‘Não vou dizer que no meu governo não tem corrupção’

Chefe do Executivo falou com apoiadores nesta segunda-feira (6). 'A gente não sabe o que acontece, muitas vezes', comentou
Jair Bolsonaro (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Em conversa com apoiadores na manhã desta segunda-feira (6), o presidente Jair Bolsonaro (PL) tomou cautela ao comentar sobre possível atos de ilegalidade dentro do governo e afirmou que “não iria dizer que não há corrupção em seu governo”, já que “muitas vezes, não sabe o que acontece”. Ele defendeu ainda que a maioria “são pessoas honestas”. A informação é do R7.

Durante a conversa, um dos apoiadores disse ao presidente que havia deixado na guarita do Palácio do Planalto um pendrive com informações sigilosas e que conversou sobre o assunto com os filhos dele [Flávio, Eduardo e Carlos]. Na sequência, pediu que um dos seguranças pegasse o objeto para que Bolsonaro tivesse acesso aos dados. “A gente trabalha em cima da segurança e do sigilo. No pendrive está falando tudo isso”, comentou o apoiador.

Bolsonaro respondeu dizendo que não consegue dar conta de mais de 20 mil servidores comissionados, nem com ministérios com mais de 300 mil funcionários, mas que a maioria “são pessoas honestas.”

“Não vou dizer que no meu governo não tem corrupção, porque a gente não sabe o que acontece, muitas vezes. Mas, se tiver qualquer problema no meu governo, a gente vai investigar isso”, destacou o presidente.

STF

Bolsonaro falou também sobre as indicações que o chefe do Executivo eleito no ano que vem fará para o Supremo Tribunal Federal (STF) e disse que, se for candidato e reeleito, “bota dois no início de 23 lá.”

“Não sou evangélico, sou católico. O evangélico está no Supremo agora [em relação a André Mendonça]”, disse. “Se eu for candidato e reeleito, a gente bota dois no início de 23 (2023) lá. É que a capetada tá se reunindo. Eu sou capitão, mas a capetada tá se reunindo”, acrescentou.

Em 2023, o chefe do Executivo poderá indicar dois nomes para o STF. Os novos indicados assumirão os lugares de Ricardo Lewandowski, que se aposenta em maio, e de Rosa Weber, que se aposenta em outubro.

Bolsonaro foi eleito em 2018 e, desde então, já indicou dois ministros para a mais alta corte do país: Kassio Nunes Marques, aprovado pelo Senado Federal em agosto, e André Mendonça, aprovado pela Casa neste mês de dezembro.

Eleição de 2022 e chapa eleitoral

Bolsonaro comentou ainda sobre as eleições de 2022 e a formação da chapa eleitoral. O chefe do Executivo criticou reportagem veiculada numa revista de grande circulação que informava que já tinha definido o nome para ocupar o cargo de vice-presidente no ano que vem.

“Estão sempre tentando atrapalhar. A [revista] Veja disse que já tenho nome do centrão para 2022. Não tenho nome de ninguém definido ainda. É o tempo todo. Aí tem gente que bota o nome lá, que passa a matéria, para se cacifar. Eu já falei que quem aparecer como se cacifando, já está cortado”, disse.

Palavras Chave

Executivo

Comentários

Deixe seu comentário
Seu endereço de email não será revelado.

publicidade
© Copyright 2022. Portal Correio. Todos os direitos reservados.