Moeda: Clima: Marés:
Início Colunas
Josuel Gomes

Quando eu era adolescente, ouvia muito a frase: “Meu filho terminou os estudos”. Bastava concluir a faculdade para ser considerado alguém que havia terminado sua formação e, muitas vezes, era até chamado de “doutor”. Aos 16 anos, eu ganhava meio salário mínimo e parte desse dinheiro era destinado a um curso de datilografia. Hoje, muitos nem sabem o que é datilografia, mas, naquela época, ter esse diploma facilitava a obtenção de emprego, e eu estaria apto a trabalhar no Banco do Brasil, pois uma das exigências era ser formado em datilografia.

O tempo passou e, hoje, imagine você parar de estudar. O que vai acontecer em poucos anos, ou até em poucos meses? Vivemos em um mundo cada vez mais acelerado. Mudanças sempre ocorreram, mas nesta velocidade, somos a primeira geração a experimentar e viver essa realidade. E você, está estudando? Está se preparando? Lembre-se, é como uma esteira rolante: hoje, você precisa andar mais rápido para permanecer no mesmo lugar.

A importância de aprender continuamente não pode ser subestimada. No passado, a educação formal era vista como um fim em si mesma. Concluir a faculdade era o ápice da formação acadêmica e garantia uma posição estável no mercado de trabalho. No entanto, o cenário atual é bem diferente. A tecnologia avança a passos largos, novas profissões surgem e outras se tornam obsoletas. A globalização e a digitalização transformaram o mercado de trabalho, exigindo habilidades e conhecimentos que muitas vezes não são ensinados nas instituições tradicionais de ensino.

Aprender continuamente é essencial para se manter relevante e competitivo. Cursos online, workshops, leituras e até mesmo a troca de experiências com colegas de profissão são formas de adquirir novos conhecimentos e habilidades. Além disso, o aprendizado contínuo não se limita apenas ao âmbito profissional. Ele enriquece a vida pessoal, amplia horizontes e proporciona uma visão mais crítica e abrangente do mundo.

Portanto, não se acomode. Invista em você mesmo, busque novas oportunidades de aprendizado e esteja sempre preparado para as mudanças. Afinal, como disse Alvin Toffler, “os analfabetos do século XXI não serão aqueles que não sabem ler e escrever, mas aqueles que não sabem aprender, desaprender e reaprender”.

Pense nisso e bons negócios.


Para mais conteúdos siga: @josuelgomes

publicidade
publicidade
© Copyright 2024. Portal Correio. Todos os direitos reservados.