Início Colunas
Professor Trindade

Você já percebeu, querido leitor, como estão usando o possessivo SEU em frases que dão ambiguidade? Ou o ESSE no lugar de ESTE; e ONDE, descabido, em frases que não se referem a lugar?

Aprenda, na nossa coluna, o emprego de tais pronomes, com as devidas advertências.

PRONOMES POSSESSIVOS

São os que se referem às três pessoas gramaticais, indicando o que cabe ou pertence a elas.

EMPREGO

Quando usado ao lado de pronomes de tratamento, o possessivo deve ficar na 3ª pessoa (singular ou plural), e não na 2ª do plural. Assim, o certo é dizer: Vossa senhoria deixou SUA (e não vossa!) bolsa na gaveta.

Os pronomes possessivo SEU(s) e SUA(s) podem se referir tanto à 2ª pessoa (pessoa com quem se fala) como à 3ª pessoa (pessoa de quem se fala). Essa dupla possibilidade pode dar AMBIGUIDADE (duplo sentido) à frase, como no exemplo:

Paulo, Janete não fez o trabalho porque deixou o caderno na sua casa (casa de quem?).

Para evitar a ambiguidade, uma das possibilidades é trocar o SEU (SUA) por dele ou dela.

Os pronomes possessivos às vezes podem ser substituídos por oblíquos correspondentes.

Ela beijou-me a boca (= beijou minha boca).

PRONOMES DEMONSTRATIVOS

Indicam a posição ou o lugar dos seres, em relação às três pessoas gramaticais.

Ex.: Aquela moça é triste.

ATENÇÃO

Podem, também, funcionar como demonstrativos: o (s), a (s), mesmo(s), mesma(s), semelhante(s), tal e tais.

Ex.: Amo-te. Não o sabias? (o = isto)

Quem diz o que realmente sente é feliz. (o = aquilo)

Tais coisas não se dizem a uma mulher. (tais = essas)

EMPREGO

a) NO ESPAÇO

Este (s), esta (s) e isto são usados para indicar que o ser está perto de quem fala.

Ex.: Este livro que tenho nas mãos é raro.

Esse (s), essa (s) e isso são usados para indicar que o ser está perto de quem ouve.

Ex.: Esse livro que você tem é raro.

Aquele (s), aquela (s) e aquilo são usados para indicar que o ser está longe de quem fala e de quem está ouvindo.

Ex.: Aquela bolsa é sua?

b) NA FRASE

No texto, este (s), esta (s) e isto são usados para indicar algo que ainda vai ser falado (ou escrito).

Ex.: Meu problema é este: apaixonar-me demais.

Esse (s), essa (s), e isso são usados para indicar algo que já foi falado.

Ex.: Apaixonar-me demais. Esse é o meu problema.

Para fazer referência comparativa a dois elementos já citados na frase, usa-se ESTE para indicar o último elemento e AQUELE para indicar o primeiro.

Ex.: André e João são bons alunos; este mais estudioso do que aquele.

ESTE = João AQUELE = André

c) NO TEMPO

Este (s) e esta (s) são usados para indicar tempo (data) próximo. Esse (s) e essa (s) para datas mediamente distantes e aquele (s), aquela (s) para datas muito distantes

Ex.: Este ano (ano atual) promete ser bom.

Comprei um carro no ano passado. Nesse ano, ganhei um bom dinheiro.

Getúlio suicidou-se em 1954. Naquele ano, o povo ainda venerava os políticos. Por isso, a comoção foi total.

PRONOMES RELATIVOS

São os que se referem a um termo anterior, substituindo-o na oração seguinte.

Ex.: O menino adoeceu. O menino se chama Carlinhos.

O menino (antecedente) que adoeceu se chama Carlinhos.

OBSERVAÇÕES

– Como relativo, o pronome QUE é substituído por o qual, a qual, osquais asquais.

Ex.: Já li o livro que comprei. (que = o qual).

– Há frases em que a palavra antecedente, repetida pelo pronome relativo, é representada pelos demonstrativos O, A, OS, AS.

Ex.: Ele sempre consegue o que deseja. (o = aquilo).

– O relativo QUEM somente é usado em relação a pessoas e aparece precedido de preposição.

Ex.: O cantor de (preposição) quem lhe falei chegou.

– O relativo CUJO (e variações) é, normalmente, empregado entre dois substantivos, estabelecendo, entre eles, uma RELAÇÃO DE POSSE.

Ex.: Comprei um terreno CUJA frente está murada.

ATENÇÃO: Após o pronome cujo (e variações) NÃO SE USA ARTIGO. Por isso, deve-se dizer: visitei a escola cujo diretor morreu; e não cujo o.

– O relativo ONDE refere-se apenas a lugar e equivale a em que.

Ex.: Conheci o lugar onde você nasceu. (ONDE = em que)

– Quanto (s) e quanta (s) somente são pronomes relativos se estiverem precedidos dos indefinidos TUDO, TANTO (s), TANTA (s), TODO (s) e TODA (s).

Ex.: Ele sempre obteve tudo (indefinido) quanto (relativo) quis.

ATENÇÃO: Na reunião de frases com pronome relativo é preciso MANTER a estrutura original da frase. Isso quer dizer que se o verbo ou nome exigir preposição, o pronome relativo estará acompanhado da preposição.

Exemplos de reuniões de frases através do pronome relativo:

a) Visitei a casa. Você nasceu na casa.

Visitei a casa ONDE (em que; na qual) você nasceu.

b) Eu tenho o livro. Você gosta do livro.

Tenho o livro DE QUE você gosta.

c) Nós visitamos a chácara. O dono da chácara é meu amigo.

Visitamos a chácara CUJO dono é meu amigo.

d) A fábrica é ali. Os flagelados se abrigaram sob o teto da fábrica.

A fábrica sob CUJO teto os flagelados se abrigaram é ali.

Comentários

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será revelado.

publicidade
© Copyright 2021. Portal Correio. Todos os direitos reservados.