Início Colunas
Josival Pereira

A questão sonda os rumos do desenvolvimento econômico e social do estado, planos estratégicos, ideias, possíveis projetos.

Impossível negar que a pandemia embaça horizontes, mas algumas nações encontraram luz na escuridão das catástrofes. Quem sabe não é a vez do Brasil e da Paraíba.

Revisitando o passado, base do presente e do futuro, é possível perceber claramente que na história mais recente da Paraíba foi o poder público quem propôs os principais planos de crescimento, sempre vinculados a programas de governo. Por isso, planos fragmentados.

Um problema é que desde o governo João Agripino, lá atrás, fim dos anos 60 e início da década de 70, que acreditou no asfaltamento da BR-230 até o Sertão e em investimentos da Sudene nos distritos industriais de Campina Grande e João Pessoa, invariavelmente, os gestores estaduais fizeram a mesma opção, acrescentando os planos hídricos.

Talvez apenas Ivan Bichara, depois de Agripino, tenha se preocupado com um planejamento estratégico mais elaborado e diversificado, com plano diretor estadual e planos diretores nas principais cidades, mas acabou não tendo continuidade.

Numa síntese rápida, a partir das eleições diretas, na década de 80, os governadores traçaram planos de desenvolvimento do estado com base em estradas e planos de construção de açudes e distribuição de água. Isso ocorreu com mais ênfase com Wilson Braga, José Maranhão e Ricardo Coutinho.

Deu certo? Cada um tentou e realizou, a Paraíba cresceu, mas não ganhou um desenvolvimento mais robusto que a fizesse superar os problemas sociais e se destacar na região. Outros estados do Nordeste se destacaram mais. A Paraíba, por exemplo, perdeu os investimentos da era Lula.

E agora? O que anda ocorrendo? Quase não existe debate sobre o tema desenvolvimento.

Existe uma pista do economista e professor Rômulo Polari, em artigo recente. Segundo ele, a Paraíba começa a viver uma fase na qual sua economia está baseada no setor produtivo, na iniciativa privada, e menos dependente do setor público, que entraria com planejamento, infraestrutura e incentivos.

Polari assegura que existem dois grandes projetos em andamento. Um de energias renováveis (eólica e solar), com a implantação de parques e usinas no interior, e investimentos de R$6,3 bilhões até 2022, e o Pólo Turístico do Cabo Branco, que teria empreendimentos de R$1 bilhão, entre outros que, ao todo, chegaria a R$ 8 bilhões. Isso impactaria o PIB da Paraíba em 8% sobre o de 2018.

Oxalá o professor Polari tenha razão. Mas tem uma coisa aí. Se isso tudo tiver acontecendo, por que não se divulga mais amplamente? Estranho.

Comentários

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será revelado.

publicidade
© Copyright 2021. Portal Correio. Todos os direitos reservados.