Início Colunas
Professor Trindade

Toda Língua tem muitas nuanças e, como não poderia deixar de ser, a nossa, rica como é, também.

Trazemos, hoje, à baila, um número expressivo de substantivos que só se empregam no plural:

anais (publicação de congresso)

alvíssaras (exclamação de alegria)

antolhos

arredores

belas-artes

calendas (no calendário romano, o primeiro dia de cada mês)

cãs

condolências

esponsais (contrato de noivado)

exéquias (honras fúnebres)

fastos (anais)

férias

fezes

matinas

núpcias

óculos

olheiras

pêsames

primícias (primeiras coisas de uma série)

víveres (provisão de comestíveis)

copas (naipe)

espadas (naipe)

ouros (naipe)

paus (naipe)

Há, porém, substantivos que no singular significam uma coisa e no plural, outra. De modo que temos, por exemplo, ferro (metal) e ferros (ferramentas, aparelhos), cobre (metal) e cobres (dinheiro).

ATENÇÃO JORNALISTAS!…

A palavra “bastidores” (da notícia) só deve ser usada no plural. Trata-se do sentido figurado do plural de bastidor, mas é substantivo plural, indicando “o lado encoberto, oculto, que age no interior de certas organizações e que, como no teatro, não se acha ao alcance do público: ‘os bastidores da política, dos negócios’” (Dicionário Aurélio).

Comentários

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será revelado.

publicidade
© Copyright 2021. Portal Correio. Todos os direitos reservados.