Moeda: Clima: Marés:
Início Colunas
Professor Trindade

Certamente o leitor quando vai fazer a nota da feira coloca, como um dos itens, Bombril. É claro que se só tiver Assolan vai comprar; mas, na próxima nota, colocará Bombril, novamente; quem vai colocar “esponja de aço”, numa nota de feira? O fenômeno se repetiu, por muitos anos, com Gilete, Brahma, Maizena

Garanto que o mesmo leitor já disse, alguma vez, a um amigo:

– Vou pegar um Uber.

Pois é… Existem outros aplicativos de transporte: 99, por exemplo; mas todo mundo só se refere ao Uber.

Ao fazer isso, o destinatário desta crônica está usando, talvez sem saber, uma figura de linguagem chamada metonímia.

O que é metonímia?

A metonímia consiste numa substituição objetiva (ao contrário da metáfora, que é uma substituição subjetiva) de um elemento por outro, por associação de sentidos.

Em geral, as metonímias podem ser classificadas; mas não todas, como é o caso dessa a que estou me referindo e a essa outra, por exemplo, extraída de um texto de Nélson Rodrigues: “Ela riu um riso desdentado”.

Observa-se, no exemplo da linha anterior, que riso substitui boca, assim como Uber substitui transporte por aplicativo, metonímia que também não se pode classificar. Daí ser inútil ensinar essa figura apenas pela “classificação”.

Na terminologia tradicional, as metonímias denotam uma substituição:

a) Da parte pelo todo: “As velas do Mucuripe vão sair para pescar…”. (Velas, em vez de barco).

b) Da causa pelo efeito: “Respeite ao menos meus cabelos brancos”. (Cabelos brancos, em vez de velhice).

c) Do autor pela obra: “Devolva o Neruda que você me tomou e nunca leu”. (Neruda, em vez de o livro de Pablo Neruda).

d) Do instrumento pela matéria: “E achei em pedaços bem junto à janela/ meu pinho quebrado por ela…”. (Pinho, em vez de violão).

d) Da marca pelo produto: Esqueci de colocar Bombril na nota. (Bombril, em vez de esponja de aço).

e) Do continente pelo conteúdo: Vou tomar uma xícara de café. (Xícara, em vez de café).

f) Do singular pelo plural: “A mulher tem na face dois brilhantes/condutores fiéis do seu destino…). (Mulher, em vez de as mulheres).

Espero que tenha ficado clara a noção de metonímia.

E, com licença, leitor, que vou pegar um uber para fazer supermercado (mais uma!); e é claro que, na nota, não esqueci de colocar dois pacotes de Bombril.

Comentários

Deixe seu comentário
Seu endereço de email não será revelado.

publicidade
© Copyright 2022. Portal Correio. Todos os direitos reservados.