|
terça, 11 dezembro 2018
Início Contact

Contact

You are a part of the Rebel Alliance and a traitor so what do you think of her Han. But with the blast shield down even see! How am I supposed to fight need your help Luke. She needs your help getting too old for this sort of thing.

Act so surprised your highness. You mercy mission this time several transmissions were beamed to this ship by Rebel spies.

  • You mean it controls your actions?
  • But with the blast shield down can even see! How am I supposed to fight?
  • I get involved got work to do not that I like the Empire
  • But nothing can do about it right now such a long way from here.

Contact Details

Newspaper Comunication Service
123 California St. Doargo

(650) 123-2558 (main number)
(650) 123-0247 (fax)

Email: [email protected]

About us

Newspaper is your news entertainment music fashion website. We provide you with the latest breaking news
and videos straight from entertainment industry world.

Send us a message!

Install Contact Form 7 Plugin and replace this text block with your contact form

LATEST POSTS

Pesquisa revela que 43% dos idosos respondem pelo sustento da casa

Um estudo feito pela Confederação Nacional dos Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) constatou que 21% dos idosos aposentados continuam exercendo...
Quartas Acústicas

‘Quartas Acústicas’ apresenta Devaneios do Samba com Thais Soares

A cantora Thais Soares vai fazer uma apresentação no Projeto Quartas Acústicas na noite desta quarta-feira (12), na Sala Paulo Pontes, no Teatro Municipal Severino Cabral, em Campina Grande. O ingresso antecipado custa dez reais e no dia do show os ingressos estarão à venda aos preços de R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia entrada). No show Devaneios do Samba, a cantora estará acompanhada por Rafael Marques e Yalle Moreira (percussão e backing), Neto Marinho (percussão), Matheus Duarte (violão) e Miguel (cavaquinho), juntos eles vão levar ao palco do Paulo Pontes interpretações de canções de músicos regionais e nacionais que contribuíram para este cenário.

Quartas acústicas

O Projeto Quartas Acústicas faz parte da programação do Teatro Municipal Severino Cabral, acontece todas as quartas-feiras, na Sala Paulo Pontes. Geralmente, apresenta nomes da música autoral da cidade e do Estado.
Escola

Comissão encerra sem votar Escola sem Partido e projeto é arquivado

O presidente da comissão especial do Escola sem Partido, deputado Marcos Rogério (DEM-RO), encerrou nesta terça-feira (11) o trabalho da comissão sem conseguir votar o projeto de lei (PL). Com isso, o PL é arquivado e deve retornar à pauta apenas na próxima legislatura. No discurso final, o deputado criticou os parlamentares favoráveis ao projeto, que segundo ele, não têm comparecido às sessões. “A oposição cumpriu o seu papel, ela fez uma obstrução sistemática, com a presença dos parlamentares. A maioria absoluta dos parlamentares que são favoráveis, eles vinham votar e saiam da comissão. Isso acabou gerando esse ambiente que não permitiu a votação”, diz Marcos Rogério. O deputado disse que foi procurado por deputados eleitos que pediram que o debate fosse adiado para o próximo ano para que eles pudessem participar. “A próxima legislatura terá uma nova comissão, novo presidente, novo relator, novos componentes. Eu recebi apelo de muitos parlamentares novos para participar dessa comissão”. Marcos Rogério disse que decidiu encerrar o trabalho da comissão devido a agenda cheia da Câmara dos Deputados neste final de ano. “O trabalho da comissão acaba concorrendo com o plenário, gera obstrução lá. Eu também tenho que ter consciência que existem outros temas importantes para o país que precisam ser votados no plenário”, disse. Segundo o presidente da comissão, a tendência no ano que vem é que o projeto seja endurecido e que haja previsão de punição para os professores, o que não estava previsto no texto que seria votado pela comissão. Apesar de não ter conseguido votar o PL, o presidente da comissão considera que o debate foi levado para a sociedade e que isso é uma “grande vitória. A oposição comemorou o encerramento dos trabalhos. Em discurso após o fim da sessão, a deputada Erika Kokay (PT-DF) disse que o trabalho de obstrução segue no ano que vem.

Discussões

As discussões do projeto de lei, que tem apoio do presidente eleito, Jair Bolsonaro, têm sido acaloradas na Câmara dos Deputados. São frequentes os bate-boca tanto entre parlamentares quanto entre manifestantes pró e contra o texto. A deputada Erika e o deputado Flavinho (PSC-SP) chegaram a trocar xingamentos. Os embates ultrapassam o Congresso Nacional. No país, são diversos os movimentos de ambos os lados. Do lado favorável, estudantes têm sido incentivados a gravarem aulas de professores e pais a denunciarem os docentes. Do lado contrário, no mês passado, o Ministério Público Federal expediu recomendações para pôr fim a ações arbitrárias contra professores. Entidades educacionais também se mobilizaram criando o movimento Escola com Diversidade e Liberdade e lançando um Manual de Defesa contra a Censura nas Escolas.

Tramitação

Tentativas de votação do projeto de lei que institui o Escola sem Partido são feitas desde o dia 31 de outubro. De acordo com o projeto, as escolas serão obrigadas a fixar cartazes com deveres do professor, entre os quais a proibição de usar sua posição para cooptar alunos para qualquer corrente política, ideológica ou partidária. Além disso, o professor não poderá incitar os estudantes a participar de manifestações e deverá indicar as principais teorias sobre questões políticas, socioculturais e econômicas. A proposta inclui ainda entre os princípios do ensino o respeito às convicções do aluno, de seus pais ou responsáveis, dando precedência aos valores de ordem familiar sobre a educação escolar nos aspectos relacionados à educação moral, sexual e religiosa. Os defensores argumentam que professores e autores de materiais didáticos vêm se utilizando das aulas e obras para tentar obter a adesão dos estudantes a determinadas correntes políticas e ideológicas. Os críticos dizem que as leis atuais impedem qualquer tipo de abuso por parte dos professores e que o projeto vai gerar insegurança nas salas de aulas e perseguição aos docentes.
- Advertisement -