Cria??o de aves caipiras vira alternativa de renda para as v?timas da estiagem na PB

17
COMPARTILHE

Num momento de crise provocada pela estiagem, atividades alternativas como a criação de aves caipiras viram solução para agricultores que dependem do plantio de subsistência para alimentar a família, na Paraíba.

Leia mais Notícias no Portal Correio

A preocupação com o cenário provocado pela irregularidade das chuvas, que foram insuficientes para garantir a produção, vem dando espaço à determinação ao trabalho, quando a chance de investir em uma fonte de renda extra passa a fazer parte da realidade.

Tanto é que o agricultor Manoel Amaro dos Santos, do engenho Olho D’água, na Zona Rural de Pilões, a 117 quilômetros de João Pessoa, está otimista com a possibilidade de estar entre os 300 agricultores a serem beneficiados a partir do segundo semestre deste ano com projetos de avicultura alternativa oferecidos pelo Programa PB Rural Sustentável.

O primeira encontro promovido pelos órgãos envolvidos no Programa, a mpresa de Assistência Técnica e Extensão Rural da Paraíba (Emater), Empresa Est Pesquisa Agropecuária Paraíba (Emepa), Instituto de Terras e Planejamento Agrícola do Estado da Paraíba (Interpa), e a Secretaria de Desenvolvimento da Agropecuária e da Pesca da Paraíba (Sedap), aconteceu na quarta-feira (17), na Comunidade Canga Galo, na zona rural de São Sebastião de Lagoa de Roça, a 107 quilômetros da Capital.

Ex-cortador de cana de açúcar, o agricultor Manoel Amaro contou que a plantação de milho e fava em um hectare que possui não está dando conta da despesa e vem exigindo atividades extras. Além de realizar serviços como servente e pedreiro, ele pretende se dedicar a avicultura caipira e envolver toda família. “Tenho seis filhos e elas ajudarão para que a gente ganhe mais dinheiro e possa ter mais comida na nossa mesa”, completou.

Para o especialista em avicultura da Emater, Vicente de Assis Ferreira, o manejo sanitário e nutricional das aves é muito importante para o sucesso da criação. A água destinada ao consumo das aves deve receber tratamento e a higienização dos bebedouros e comedouros deve ser feita diariamente.

De acordo com Vicente de Assis, as aves devem receber três vacinas até os 90 dias de vida para evitar que elas contraiam a gripe aviária. Ele lembrou ainda que é importante o avicultor utilizar ração alternativa à base de farelo de milho, soja e raspas de mandioca na alimentação das aves.

Vantagens

A criação de aves caipiras possui um custo benefício bem maior que a criação do frango de granja. O preço do quilo do frango de granja custa em média R$ 3,65, enquanto que o da a galinha caipira chega a R$ 9,50. Vicente de Assis garantiu, ainda, que o custo para produzir a ave caipira é cerca de 50% menor.

Como incentivo à criação da galinha caipira, o município de Lagoa de Roça dispõe de um abatedouro que deve estar em operação até o mês de julho, onde os avicultores podem beneficiar e comercializar a produção.

A capacidade do abatedouro será de cinco mil aves por semana e além disso os avicultores terão a oportunidade de venda dos produtos para os programas governamentais, como o Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) e Programa Nacional de Alimentação Escolar (Pnae).

A presidente da Cooperativa Paraibana de Avicultura Alternativa e Agricultura Familiar (Copaf), Maria Nazaré dos Santos Barbosa, disse que são 128 cooperativas e dez associações que fazem parte da Copaf e a entidade tem interesse em agregar outros grupos interessados em investir no negócio.

Em respeito à Legislação Eleitoral, o Portal Correio não publicará os comentários dos leitores. O espaço para a interação com o público voltará a ser aberto logo que as eleições de 2018 se encerrem.

Notícias mais lidas