Cristina Kirchner e Maduro defendem fortalecimento da democracia no Mercosul

24
COMPARTILHE

Em discursos na sessão plenária da 48ª Cúpula dos Chefes de Estado do Mercosul e Estados Associados, em Brasília, os presidentes da Venezuela, Nicolás Maduro, e da Argentina, Cristina Kirchner, defenderam nesta sexta-feira (17) o fortalecimento dos regimes democráticos na América do Sul.

Leia mais Notícias no Portal Correio

Cristina lembrou os 40 anos da Operação Condor, colaboração entre os regimes ditatoriais da América do Sul nas décadas de 1970 e 1980, e ressaltou que os países devem ficar atentos para evitar o ressurgimento de ditaduras.

“Temos de fortalecer mais do que nunca a democracia. É uma conquista do Mercosul e da Unasul [União de Nações Sul-Americanas] a cláusula democrática, que significa que, caso um governo seja derrubado sem eleições livres e democráticas, perde imediatamente o caráter de Estado-membro das organizações”, informou Cristina.

A presidente argentina destacou que as tentativas de golpe de Estado contra os presidentes da Bolívia, Evo Morales, e do Equador, Rafael Correa, além de conflitos entre Colômbia e Venezuela, foram resolvidos de forma pacífica no âmbito da Unasul.

De acordo com Nicolás Maduro, o Mercosul é um projeto democrático e inclusivo e há quem ainda não reconheça essa realidade. “Há os que se sentem tentados, dentro ou fora de nossos países, a tratar de forçar a história e a realidade.”

Maduro alertou para a necessidade de reconhecimento à realidade da região. “É preciso que se reconheça que temos um presidente índio [Evo Morales] e que há um movimento bolivariano. Estamos vivos e de pé. Existimos e nada vai nos apagar do mapa, nem campanhas midiáticas, nem políticas”.

Maduro também citou a Operação Condor. “Ela está completando 40 anos e há quem siga pensando como na época do plano. Pensam em sumir conosco, mas não poderão desparecer conosco. Somos uma realidade democrática. Somos um projeto democrático, inclusivo”, acrescentou.

Cristina Kirchner criticou a Organização das Nações Unidas (ONU), que tem “cinco membros permanentes com poder de veto no Conselho de Segurança em que prevalecem posições hegemônicas”.

“Devemos defender o tratamento igualitário dos países, qualquer que seja seu tamanho econômico e poderio militar. É um dos maiores inconvenientes da ONU e do mundo para resolver conflitos. A desigualdade nas relações de força impede a solução de conflitos que arrasam muitos lugares do planeta”, concluiu.

Em respeito à Legislação Eleitoral, o Portal Correio não publicará os comentários dos leitores. O espaço para a interação com o público voltará a ser aberto logo que as eleições de 2018 se encerrem.

Notícias mais lidas