Início Geral

Deputados acham que chances de Dilma escapar do impeachment são remotas

Deputados estaduais avaliam que as chances da presidente Dilma Rousseff (PT) escapar do impeachment são muito remotas no Senado. Mesmo quem enxerga que o Senado Federal tenha um julgamento mais comedido do que a votação da Câmara Federal, observa que o governo é minoria entre os senadores e isso reduz as chances da presidente escapar. Assista abaixo o vídeo do Portal.

Leia mais notícias de Política no Portal Correio

O deputado estadual Raniery Paulino (PMDB) entende que Dilma tem trabalhado parasse livrar da cassação do mandato, mas reconhece que as chances foram reduzidas. Na sua avaliação, os erros políticos foram cometidos pelo PT, que dividiu a legenda numa parte com Dilma e outra com o ex-presidente Lula. “O caso agora é gravíssimo”, diagnosticou Paulino.

Para Jutahy Menezes, não há mais como a presidente escapar. O deputado estadual do PRB, o processo no Senado Federal apenas confirmará a votação da Câmara Federal, com mais de dois terços pelo impeachmet da presidente da República.

Já o deputado Dinaldinho Wanderley (PSDB) entende que Dilma deve ser afastada e a Câmara acertou ao autorizar a abertura do processo do impeachment pelo Senado Federal. Dinaldinho acha que o correto também seria afastar o vice-presidente, Michel Temer (PMDB). Ele defende que as investigações também se aprofundem contra o presidente da Câmara Federal, deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), e o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL).

O socialista Gervásio Filho observou que a situação de Dilma se complicou muito. O deputado do PSB lembrou que a base da presidente Dilma teve uma derrota significativa na Câmara Federal.
Mesmo entendimento tem o deputado Nabor Wanderley (PMDB), que ressalta a falta de articulação política na Câmara Federal.

Frei Anastácio (PT) acredita que o Senado Federal, como “casa revisora”, possa mudar o entendimento da Câmara Federal. Quem vai de encontro à essa opinião é o deputado Renato Gadelha (PSL), que acha que o Senado “referenda a vontade do povo brasileiro”.

A comissão especial do impeachment no Senado Federal será instalada na próxima segunda-feira (25). Os três senadores paraibanos – Cássio Cunha Lima (PSDB), Raimundo Lira e José Maranhão (PMDB) – são integrantes da comissão. Além deles tem o paraibano Lindbergh Farias (PT-RJ). Lira foi indicado pela bancada do PMDB para presidir a comissão.

Confira o vídeo do Portal:

Palavras Chave

Portal Correio

Comentários

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será revelado.

publicidade
© Copyright 2021. Portal Correio. Todos os direitos reservados.