Início Geral

Deu Picciani

Em fevereiro de 2015, quando a fumaça branca indicou que o PMDB tinha escolhido seu líder e que era Leonardo Picciani, os outros postulantes – Lúcio vieira Lima (BA) e José Priante (PA) na fase final, e Manoel Júnior (PB), Danilo Forte (CE) e Marcelo Castro (PI) na inicial – aceitaram o resultado e o comando do fluminense. A nova vitória do deputado fluminense solidifica o racha.

Picciani venceu Hugo Motta por 37 a 30 votos, mas precisou da ajuda decisiva do Palácio do Planalto – que até liberou por 24 horas o ministro Marcelo Castro (Saúde) do cargo, para votar – e do Palácio da Guarabara – dois deputados licenciados e secretários no Rio de Janeiro, Pedro Paulo Carvalho e Marco Antonio Cabral, deixaram os cargos para alterar o placar.

Teve mais: um deputado do Solidariedade, Ezequiel Teixeira foi transformado em secretário estadual para abrir vaga para o suplente Átila Nunes, que era do PSL e se filiou ao PMDB.

Os quatro votos foram realmente decisivos. Subtraindo-os, Picciani teria 33 votos. Como Hugo somou 30, os que foram substituídos poderiam ter embolado a disputa, mesmo com as ausências de Jarbas Vasconcelos (PE) e Marinha Raupp (RO).

Por tudo isso, a unidade que pregou no discurso antes da votação, não será fácil para Picciani costurar, mesmo se o presidente Eduardo Cunha cruzasse os braços, e isso dificilmente fará porque sua sobrevivência política é ameaçada pelo Palácio do Planalto, o patrocinador do líder reeleito.

Se não tiver uma carta mágica na manga, Picciani vai enfrentar muita contestação, mas terá o poder que realmente interessa ao Palácio do Planalto: indicará os nomes dos oito integrantes da Comissão de Impeachment, das comissões permanente e CPIs, e influenciará a pauta de votações da Câmara. Para a presidente Dilma, é uma vitória, embora segundo os apoiadores de Motta, tenha ganhado 30 opositores.

Quanto a Hugo Motta, enfrentou uma disputa desigual e não perdeu para Picciani, mas para o poder atrás dele. Sai muito maior do processo. Deixou de ser um entre os que formam a maior bancada da Câmara Federal. Conquistou seu espaço na vitrine nacional.

Torpedo

“Existe a igualdade entre homens e mulheres, então não podemos admitir que a mulher se aposente com menos tempo de trabalho que um homem, mesmo vivendo mais tempo”.

Do deputado Marcondes Gadelha (PSC), defendendo regra única para aposentadoria de homens e mulheres.

Pesos pesados

Além do prefeito Romero Rodrigues e do ex-prefeito Veneziano Vital do Rêgo, a disputa em Campina deve contar com dois deputados: Adriano Galdino (PSB) e Daniella Ribeiro (PP), que ontem admitiu ser candidata.

Água e voto

O agravamento da crise hídrica certamente será tema das eleições em Campina. Boqueirão está com apenas 11,5% de sua capacidade, entrando no volume morto, e sem Plano B, como alerta Tovar Correia Lima (PSDB).

Adiado

Pedido de vista do conselheiro Fernando Catão aditou o julgamento no TCE das contas de 2014 da Secretaria de Saúde, a que apurou quantidade e o impacto dos chamados “codificados” nas contas do ano eleitoral.

Dengue, zika…

O vereador Raoni Mendes (PTB) critica coleta de lixo na Capital e alerta para o risco na proliferação do Aedes Aegypti. “Não podemos admitir que o lixo continue nas calçadas por que a Emlur não faz o que deveria fazer”.

Zigue-Zague

Mais uma vez Wellington Roberto (PR) ajudou a defesa de Eduardo Cunha. Pediu vista e adiou decisão sobre admissibilidade do processo no Conselho de Ética.

Em dezembro, em discussão do caso, protagonizou bate-boca, seguido de troca de tapas com Zé Geraldo (PT), defensor do afastamento de Cunha do cargo.

Palavras Chave

Portal Correio

Comentários

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será revelado.

publicidade
© Copyright 2021. Portal Correio. Todos os direitos reservados.