Início Geral

D?lar em alta prejudica importa??o de pe?as para ve?culos, diz Anfavea

O presidente da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), Luiz Moan Yabiku Junior, disse hoje que o dólar em alta aumenta o custo da produção no curto prazo tendo em vista a importação de peças e de componentes. Moan, no entanto, não informou se a pressão da moeda americana implica aumento de preços. Destacou que, no longo prazo, o dólar em alta “estimula a competitividade com o aumento das exportações: pois o produto brasileiro passa ficar mais barato”.

Leia mais Notícias no Portal Correio

Moan esteve pela segunda vez esta semana no Ministério da Fazenda. Hoje, o encontro foi com o secretário de Política Econômica do Ministério da Fazenda, Márcio Holland. O tema foi avaliação das vendas e da produção do setor.

Na última segunda-feira, esteve com o secretário executivo do Ministério da Fazenda, Paulo Rogério Caffarelli, para falar sobre o desempenho da indústria automotiva e a conjuntura econômica.

“[O nosso encontro hoje foi] algo absolutamente rotineiro. Não foi tratado nada sobre a necessidade de manutenção da redução do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) dos automóveis, mas somos extremamente favoráveis [à medida, já que defendemos], sempre, a redução da carga tributária. Todos nós [defendemos a redução], mas [o tema]não foi motivo da reunião com o secretário”, disse.

Segundo ele, o segundo semestre será bem melhor do que o primeiro para as montadoras e, se consideradas as vendas de julho a setembro, o setor já cresceu 3,7%, em comparação à média dos primeiros seis meses do ano. “Se for mantido o crescimento, [o impulso produtivo] será o indicador de que, em 2015, teremos números melhores do que em 2014”, concluiu.

Sobre o aumento da mistura da gasolina com o álcool combustível (etanol), defendida por técnicos do governo, ideia que enfrenta certa resistência das montadoras, Moan disse que a Petrobras, em parceria com a Anfavea, está fazendo testes em laboratórios para verificar a viabilidade da medida, mas não há nada concluído. “Esperamos que haja uma conclusão até meados do próximo mês”, disse.

Palavras Chave

Portal Correio

Comentários

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será revelado.

publicidade
© Copyright 2021. Portal Correio. Todos os direitos reservados.