Moeda: Clima: Marés:

Educação Básica: sancionado projeto que define a leitura como prioridade nas escolas

O percentual de leitores caiu de 56% para 52%, segundo pesquisa Retratos da Leitura no Brasil

Entre 2015 e 2019 o Brasil perdeu mais de 4,6 milhões de leitores. O percentual caiu de 56% para 52%, segundo dados da última pesquisa Retratos da Leitura no Brasil, de 2020. O levantamento também mostrou que entre os não leitores – ou seja, brasileiros com mais de 5 anos que não leram nenhum livro, nem mesmo em parte, nos últimos três meses de análise da pesquisa –, representam 48% da população, o equivalente a cerca de 93 milhões de um total de 193 milhões de brasileiros.

Diante do cenário preocupante, estabelecer o compromisso da educação básica com o estímulo à leitura figura como um dos principais direcionamentos do projeto de Lei 5.108 de 2019 sancionado ontem (12), pela presidência da República. A sanção altera a lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB), incluindo na educação básica o compromisso com a alfabetização plena e a capacitação gradual para a leitura.

Para a Agência Brasil, a secretaria da Presidência da República declarou que o desenvolvimento da educação básica e a formação de leitores capacitados permite o pleno exercício da cidadania, o desenvolvimento da economia e o aumento da produtividade. “O direito à educação é uma garantia constitucional atrelado à dignidade da pessoa humana, inserido no rol de direitos fundamentais e sociais, sendo dever do Estado e da família o seu provimento, conforme prevê o art. 205, da Constituição”, afirmou.

A escritora de livros infantis e professora Márcia Mendes, especialista em Estudos Linguísticos e Literários pela Universidade Federal da Bahia (UFBA), acredita que a questão da leitura no Brasil demanda políticas públicas comprometidas com o acesso à literatura na linguagem oral, como contação de histórias, e escrita, por meio de livros, considerando a mediação de leitura. Para Márcia, é necessário ampliar a formação leitora de todos os profissionais envolvidos no processo educacional.

“É importante que esses profissionais tenham um repertório leitor que sirva de base para a seleção de narrativas em que circulem temas relevantes e, por conseguinte, revelem a linguagem plurissignificativa tão cara para a literatura. Projetos de incentivo à leitura, desde a infância, contribuirão de maneira assertiva para a formação leitora das crianças na escola e em casa”, defende com propriedade do lugar que ocupa, tanto como autora como educadora.

Educação e literatura antirracista

A pesquisa nacional Educação, Valores e Direitos, realizada pelo Instituto Datafolha e encomendada pelas organizações Ação Educativa e Cenpece, apontou que nove em cada dez brasileiros concordam que a discriminação racial seja discutida pelos professores em sala de aula. Uma educação e leitura antirracista são pontos que a professora Márcia vem trabalhando e estudando ao longo dos últimos 10 anos.

Autora de livros como Dandara, cadê você?, lançado em 2018 pela Editora Metanoia, cuja protagonista negra quer saber o porquê do seu nome, Márcia se dedica a pesquisar sobre mulheres negras apagadas na literatura brasileira e na história oficial. Para ela, a discussão racial nas escolas vai além do debate e pode ser exercida com escolhas literárias que fomentem a representatividade negra. “Explicitar em minhas narrativas o protagonismo negro abre portas para tecer uma educação antirracista, uma prática “cotidiDiária” na escola através da poesia. É importante para a criança negra “se ver bonita, feliz, inteligente nas narrativas que são contadas e lidas com/para elas”, defende.

Em sua sexta obra literária dedicada ao público infanto-juvenil – o livro Maria Felipa, Força e Poesia – a protagonista é inspirada na heroína real de mesmo nome que lutou para a conquista da Independência da Bahia e, por consequência, do Brasil. “Ela emerge como descendente da Maria Felipa de Oliveira e, com as memórias da família, o canto e as narrativas das marisqueiras, o gosto pelas águas que bailam no mar da Ilha de Itaparica, brinca para honrar àquela que história oficial escondeu, mas não apagou”, resume. 

Para Márcia, a Lei 5.108/2019 em consonância com a Lei 10639/2003, que institui o ensino da “História e Cultura Afro-Brasileira”, deve fazer parte do ensino o ano inteiro em todos os componentes curriculares. “Na luta antirracista a linguagem literária tem também um papel preponderante de ler e contar narrativas que contribuam para curar feridas porque, como sinaliza a professora Glenda Melo, a linguagem fere, mas também pode curar. A literatura abre possibilidades para recriar mundos destruídos, por isso deve também ser pensada para todas as infâncias, finaliza Márcia Mendes.

Comentários

Deixe seu comentário
Seu endereço de email não será revelado.

publicidade
© Copyright 2022. Portal Correio. Todos os direitos reservados.