Estado mant?m entrega de obras, mesmo prevendo que agosto ser? o pior m?s do ano

12
COMPARTILHE

O governador Ricardo Coutinho (PSB) fez, nesta terça-feira (4), uma análise da conjuntura econômica e política do país e da Paraíba. Em entrevista ao programa Correio Debate, da Rádio Correio Sat, ele afirmou que o Estado vai passar o pior mês do ano em agosto, em termos financeiros, por conta de erros do governo federal, mas as obras prometidas serão entregues.

Lei mais notícias de Política do Portal Correio

O governador explicou que a queda da receita do Estado reflete negativamente neste mês. “O mês de agosto será o pior mês de todos. A receita está indo lá para baixo. Se as pessoas não consomem tanto, a receita cai, mas nós estamos tentando nos equilibrar”, disse. Apesar da queda na receita, o governo do Estado conseguirá entregar sete obras para a cidade de João Pessoa, em comemoração aos 430 anos da capital paraibana.

O governador destacou que muitas das obras entregues no estado foram investimentos com recursos próprios e se o governo federal tivesse entrado com mais verbas, a Paraíba poderia ter ganho mais construções rodoviárias. “Se o governo do federal tivesse nos dado condições, nós teríamos inaugurado mais 14 obras rodoviárias como, por exemplo, a de Jatobá”, afirmou.

O governador falou sobre a crise econômica que o País passa, analisando que a atual situação é espelho do cenário internacional e também de erros cometidos pelo governo federal. Apesar de destacar as falhas da gestão petista, o governador foi cauteloso ao frisar que a presidente Dilma “é uma mulher honrada e como qualquer um que tem seus erros e acertos”. “Ninguém quer lembrar dos acertos”, ressaltou.

Para o governador, “a crise política” é pior que os problemas financeiros para o Brasil. “Maior que a crise econômica é a a crise política puxada pelo líder da Câmara Eduardo Cunha. Não se faz política sem partidos. Nós vamos pagar por isso”, disse.

Em respeito à Legislação Eleitoral, o Portal Correio não publicará os comentários dos leitores. O espaço para a interação com o público voltará a ser aberto logo que as eleições de 2018 se encerrem.

Notícias mais lidas