Estudantes da PB criam ‘c?psula do tempo’ para conscientizar popula??o sobre uso da ?gua

20
COMPARTILHE

Um grupo de estudantes paraibanos criou uma espécie de ‘cápsula do tempo’ com o objetivo de conscientizar a população sobre o uso racional de água. Sob coordenação do professor de Física Carlos Pinto, a turma do 2º ano médio da Escola Estadual Professora Adilina de Sousa Diniz, em Diamante (Sertão do estado, a 450 km de João Pessoa) escreveram cartas que devem ser lidas em 2030 pelos futuros alunos da instituição. O projeto foi chamado de “Carta escrita no ano de 2015: Água, conhecer e entender para preservar”.

Leia mais Notícias no Portal Correio

“O projeto surgiu a partir da necessidade do homem cuidar e preservar o bem mais precioso e fundamental para a existência da vida no planeta que é a água”, observa o professor Carlos Pinto. “O principal objetivo do projeto foi abordar aspectos físico-químicos da água, alertando para a sua importância biológica, econômica e social, bem como despertar nos alunos a necessidade de uma mudança de postura em relação ao precioso líquido, dando-lhe a devida valorização, economizando e preservando-o”, completa.

A discussão em sala de aula sobre o comportamento do homem diante da situação na qual se encontra nossa sociedade, no que se refere aos recursos hídricos disponíveis para o consumo humano iniciou o projeto. Os alunos fizeram uma pesquisa e tiveram aula sobre a qualidade e a quantidade de água disponível para o consumo humano na região, visitaram o local de abastecimento de água da cidade e a estação de tratamento do município vizinho de Santana de Mangueira, que é hoje uma referência.

Ao entenderem a gravidade da situação, os alunos fizeram uma campanha de conscientização sobre o uso racional da água na comunidade e fizeram um protesto educativo, adesivando os veículos da cidade com o texto “Eu desperdiço, Tu desperdiças, Você desperdiça… Até quando vamos conjugar este verbo?”.  “Esse ato de cidadania foi muito importante na conscientização dos moradores da cidade”, enfatizou o professor.

Para encerrar o projeto, os estudantes elaboraram uma carta que será colocada em uma urna e enterrada no pátio da escola, devendo ser aberta no ano de 2030 em uma conferência realizada pelos alunos da época. “O projeto foi ótimo, porque não mobilizou apenas a escola, mas também as pessoas de fora. A interdisciplinaridade aconteceu com quase todas as disciplinas, pois a água envolve diversos assuntos. E a carta que escrevemos será um alerta para os próximos alunos para saberem a situação da água no nosso tempo”, disse a aluna Maria Rita Lopes.

Em respeito à Legislação Eleitoral, o Portal Correio não publicará os comentários dos leitores. O espaço para a interação com o público voltará a ser aberto logo que as eleições de 2018 se encerrem.

Notícias mais lidas