Presidente da OAB-PB divulgou nota no Instagram criticando a postura dos estudantes (Foto: Reprodução/Instagram/Paulomaiaadv)

Estudantes de Direito fazem gesto obsceno em foto de formatura

Estudantes disseram que foi uma brincadeira em alusão a gesto difundido no meio do futebol e praticado por jogadores

2296
23
COMPARTILHE

Estudantes de uma turma de Direito da Universidade Federal de Campina Grande (UFCG), do campus de Sousa, se envolveram em uma polêmica na semana passada. Os alunos postaram fotos com gestos que representavam uma vagina. A Ordem dos Advogados do Brasil na Paraíba e a UFCG repudiaram a ação e os estudantes tiveram que se retratar.

Nesse domingo (15), o presidente da OAB-PB Paulo Maia usou o Instagram para criticar a conduta dos jovens. “Não podemos assistir pacificamente a um ato de sexualização da imagem feminina que afronta as mulheres de um modo geral e não só as advogadas com gestos obscenos relacionados à anatomia do seu sistema reprodutor, como se observa na foto postada”, escreveu Maia.

Ele disse que a OAB-PB oficializará a coordenação do curso de Direito e a diretoria do Centro da UFCG para exigir que os alunos sejam responsabilizados pelo que chamou de “ato de misoginia”.

Nesta segunda-feira (16), a UFCG emitiu nota contra a ação dos estudantes. “A UFCG repudia qualquer tipo de comportamento ofensivo à ética e aos valores morais ensinados nesta respeitável Instituição de Ensino e defendidos, cotidianamente, por todos aqueles que a integram; bem como sustentados por toda a área jurídica, em qualquer plano de atuação”, informou.

Segundo a UFCG, o fato será devidamente apurado e os “atos reprováveis” deverão punidos com medidas administrativas, “conforme preceituam as normas constitucionais e institucionais”.

Depois da confusão, os estudantes divulgaram um texto de retratação. Veja abaixo.

“Os Alunos do curso de Direito da UFCG que realizaram gesto tido por inapropriado em fotografia, vem por meio da presente nota, esclarecer que o referido gesto tratou- se de uma brincadeira em alusão a gesto difundido no meio do futebol e praticados outrora pelos jogadores Ronaldinho Gaucho e Neymar.

É de extrema importância, neste momento de tamanha repercussão negativa, informar que em nenhum momento, nós, alunos e futuros profissionais do Direito, tivemos a intenção de ofender ou diminuir quem quer que seja, tampouco de difundir ou incentivar qualquer conduta ilícita ou misógina.

Repudiamos toda e qualquer forma de violência!

De fato, após diversas críticas, percebemos que fomos de certo modo ingênuos ao não perceber que tal imagem poderia trazer uma conotação negativa da imagem da mulher. Concordamos com muitas críticas e concluímos que nosso ato foi inapropriado e reprovável. Muitas críticas foram justas e nos ajudaram a reconhecer nosso erro, excluindo a publicação e pedindo desculpas públicas em nossas redes sociais.

Entretanto, gostaríamos de frisar que estamos sendo alvos de críticas ou imputações que fogem da realidade na qual vivemos e praticamos, bem como da nossa personalidade.
Quem nos conhece sabe do nosso compromisso e respeito para com o próximo, em especial a mulher, com nossa Instituição UFCG, com a OAB e com a sociedade de modo geral.

Como estudantes, cidadãos ou futuros profissionais do Direito somos mais do que tudo seres humanos, suscetíveis a erros.

Portanto, reiteramos nosso pedido de desculpas e aproveitamos o ensejo para pedir a compreensão de todos neste momento tão delicado”.

COMENTÁRIOS

  1. Boa tarde,
    Qualquer pessoa está passivo de erros, mesmo porque eles se retrataram, eu só acho que não precisa de tanta discriminação, pois sou do interior da paraiba com muito orgulho e dignidade, que Deus abençoe essas mentalidades tão pobre de espírito.

  2. A pergunta é? Que tipo de bacharéis em Direito estamos formando? Quanta postura de machismo, misoginia e sexista. O que dizer lá na frente quando se falar em defender a outrem? Ações deprimentes, atitudes desprezíveis e vis!

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your name here
Please enter your comment!

Notícias mais lidas