Início Esportes

FPF tem acesso a processo da ‘Cartola’, mas esconde teor das investigações

Com o sigilo das investigações da Operação Cartola aberto, o diretor executivo da Federação Paraibana de Futebol (FPF), Eduardo Araújo, revelou que teve acesso ao processo, mas despistou sobre quais serão os próximos passos da entidade. Como o segredo do processo foi aberto apenas para os investigados e partes interessadas, segundo ele, os trabalhos da defesa ainda não avançaram. A operação foi deflagrada há um mês e investiga fraudes no futebol paraibano.

Leia também: Árbitros receberam até R$ 50 mil para favorecer times da PB

É bom lembrar que anteriormente, a entidade teria sugerido à Justiça a abertura do sigilo da operação para que pudesse se defender publicamente. Porém, mesmo após ter acesso aos documentos do Ministério Público e da Polícia Civil, a FPF diz que ainda não pode se manifestar, pois o segredo não foi aberto por completo.

“Tivemos acesso sim, mas a situação ainda não avançou, por que ainda não foi divulgado e nós não podemos fazer isso. Então não posso falar muito sobre esse assunto”, resumiu Eduardo.

ABERTURA DO SIGILO
No início da semana, a juíza Andréa Galdino, da 4ª Vara Criminal de João Pessoa decidiu pela abertura do sigilo do processo que é parte da Operação Cartola. Na decisão, ela pede o encerramento das escutas telefônicas e autoriza a difusão das informações aos investigados e partes interessadas.

STJD. O Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) requisitou logo depois que a Operação Cartola foi deflagrada, o acesso aos documentos do processo e o ingresso como parte interessada no processo, mas o pedido até o momento não foi respondido.
Procurados pelo Portal Correio, o presidente Ronaldo Botelho Piacente e o procurador Felipe Bevilacqua não atenderam a reportagem.

Já a assessoria de comunicação do órgão disse que continuam sem informações sobre o andamento do processo e o teor das investigações, o que impossibilita qualquer abertura de processo disciplinar.

“Não temos nenhuma novidade por enquanto. Enquanto a Polícia e o Ministério Público não enviarem os documentos e tudo que foi investigado, o STJD não poderá se posicionar, pois desconhece toda a situação. Após o envio dos documentos, o Tribunal poderá avaliar a possibilidade de punição para os suspeitos investigados”, disse a assessoria.

*Com Raniery Soares, do Jornal Correio da Paraíba.

Comentários

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será revelado.

publicidade
© Copyright 2021. Portal Correio. Todos os direitos reservados.