Hugo Motta lamenta liminar que suspende acarea??o entre Barusco e Duque

30
COMPARTILHE

O presidente da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Petrobras na Câmara dos Deputados, deputado Hugo Motta (PMDB-PB), lamentou nesta terça-feira (7) a suspensão da acareação que seria realizada nessa quarta-feira (8) entre o ex-gerente de Serviços da Petrobras, Pedro Barusco, e o ex-diretor de Serviços Renato Duque.

Leia mais notícias de Política no Portal Correio

Motta destacou a “tristeza” da comissão e sua contrariedade com a decisão do ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), que concedeu liminar a Barusco.

“Sabemos que o ministro Celso de Mello é um ministro respeitadíssimo, decano da Corte e certamente está bem embasado para acatar o habeas corpus. Para nosso trabalho, a decisão vem de encontro ao que estamos fazendo. Não posso deixar de assumir esse posicionamento. A decisão nos entristece, mas não nos tira do foco”, afirmou Motta.

O presidente da CPI não questionou a veracidade dos problemas de saúde alegados por Barusco para justificar sua ausência, mas estranhou a justificativa da doença apenas para ir ao Congresso Nacional.

“Eu seria irresponsável se dissesse que ele está inventando alguma coisa pra não vir aqui. A única coisa que estranhamos é que ele foi para Curitiba semana passada, participou de alguns depoimentos e não alegou doença. Justamente quando foi chamado à CPI para uma acareação, alegou enfermidade, que não podia passar por situações de estresse e que seu câncer havia avançado.”

Motta ressaltou o “sentimento humano” e desejou melhoras a Barusco. O parlamentar explicou que insistirá na presença do ex-diretor da Petrobras até onde for possível. “As acareações precisam [ocorrer] e iremos até onde for necessário para que elas sejam realizadas. […] É um trabalho de investigação, que tem de ter a colaboração dessas pessoas. E esse será nosso foco”.

O presidente da CPI não adiantou qualquer nova data para a acareação. Disse apenas que será agendada para “o mais breve possível”.

Em respeito à Legislação Eleitoral, o Portal Correio não publicará os comentários dos leitores. O espaço para a interação com o público voltará a ser aberto logo que as eleições de 2018 se encerrem.

Notícias mais lidas