Início Geral

Jatinho de doleiro trouxe deputado do PT e fam?lia para f?rias em Jo?o Pessoa

O jatinho do doleiro Alberto Youssef trouxe o deputado federal André Vargas (PT-PR) e sua família para passar férias em João Pessoa, no final do ano passado. Foi o que revelaram escutas telefônicas da Polícia Federal, desmentindo a versão do parlamentar de que teria apenas uma relação informal com o doleiro.

André Vargas abriu mão do cargo porque responde a um processo disciplinar no Conselho de Ética de Decoro Parlamentar por quebra de decoro parlamentar por conta de suas relações com Alberto Youssef.

Iniciada no fim de março para desmontar uma organização criminosa com atuação de doleiros que movimentou R$ 10 bilhões, a Operação Lava a Jato da Polícia Federal atingiu o alvo mais temido pelo governo federal: a Petrobras. Em ano de campanha presidencial e com a maratona governista para impedir a investigação no Congresso, a investida da PF amplia a crise. O principal foco é o negócio no valor de R$ 443 milhões realizado com a empresa Ecoglobal – Ambiental Comércio e Serviços Ltda, com sede em Macaé (RJ), e sua filial, EcoGlobal Overseas (EUA), para aluguel de equipamentos pesados.

Nessa operação foram cumpridos 16 mandados de busca, quatro de condução coercitiva e um de prisão temporária. Além do Rio de Janeiro, os agentes estiveram em São Paulo, Campinas e Macaé. Com base em documentos apreendidos na primeira fase da Lava a Jato, a PF suspeita de que, após intermediar a negociação, Paulo Roberto, que atua em conjunto com o doleiro Alberto Youssef, conseguiria, por meio de uma operação fraudulenta, comprar 75% das cotas da companhia. Participariam do negócio lucrativo três empresas: Quality Holding, Sunset Global Participações e a Tino Real Participações.

A Polícia Federal apreendeu documentos que apontavam que as cotas da empresa seriam compradas por um valor muito baixo, aproximadamente R$ 18 milhões, para uma empresa que havia firmado um contrato de mais de R$ 400 milhões. Outro ponto que levantou suspeita foi o fato de que a comercialização das cotas societárias estava atrelada ao fechamento do contrato entre a Ecoglobal e a Petrobras.

O empresário Vladimir Magalhães da Silveira, dono da Ecoglobal, foi detido e encaminhado à Superintendência da Polícia Federal no Rio de Janeiro. Ele negou que tenha firmado qualquer negócio com o doleiro Youssef e o ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto. Afirmou que não conhecia os dois e disse que, no ano passado, foi procurado por intermediários da dupla mas não fechou o negócio porque descobriu a participação de Youssef.

Em 2009, a Ecoglobal assinou um contrato de R$ 9,5 milhões com a estatal para recuperação de efluentes. Um ano depois, firmou mais um no valor de R$ 4,8 milhões. Um doleiro ligado ao grupo de Youssef foi preso na operação de ontem. Um casal amigo do doleiro e de Paulo Roberto prestou depoimento e foi liberado.

Fornecedores

Relatórios da Lava a Jato apontam que nove fornecedores da Petrobras depositaram R$ 34,7 milhões na conta da MO Consultoria, uma espécie de central de recursos operada por Youssef para pagamento de propinas a servidores públicos e políticos. Uma das empresas que depositou, no valor de R$ 1,9 milhão, é a Jaraguá Equipamentos, responsável pela reconstrução da torre de lançamentos de foguetes em Alcântara, no Maranhão. A empresa alega que “não foi acionada pela PF até o momento e que, por isso, não teve a oportunidade de esclarecer e provar que nunca participou de nenhum esquema ilícito”.

A Jaraguá doou R$ 4 milhões ao PT. A empresa afirmou que as doações foram feitas de maneira transparente e legal. Ressaltou também que os pagamentos referentes à Base de Alcântara, no valor de R$ 41 milhões, foram feitos de acordo com o cronograma de reconstrução da base, como estava contratualmente definido.

Entenda a sequência de denúncias que atingem o governo, o PT e a Petrobras

Pasadena

19 de março
– Reportagem do Jornal O Estado de S.Paulo aponta que a presidente Dilma Rousseff aprovou a compra da refinaria de Pasadena, no Texas, em 2006, quando ainda chefiava a Casa Civil. A petista alega que se baseou em um relatório incompleto feito pelo então diretor da estatal Nestor Cerveró. O Conselho de Administração da Petrobras, na época presidido por Dilma, autorizou a compra de metade da refinaria por US$ 360 milhões. Posteriormente, por causa de cláusulas do contrato, a estatal brasileira foi obrigada a ficar com 100% de Pasadena, antes compartilhada com uma empresa belga. Acabou desembolsando US$ 1,18 bilhão, cerca de R$ 2,76 bilhões.

Lava a Jato

20 de março – A Polícia Federal prende, no Rio de Janeiro, durante a Operação Lava a Jato, o ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto da Costa e, em Curitiba, o doleiro Alberto Youssef. A PF cumpre 24 mandados de prisão, além de apreender documentação, veículos, obras de arte e joias em 17 cidades de seis estados e no Distrito Federal. Entre os presos, também estava o ex-sócio da Bônus-Banval Enivaldo Quadrado, condenado por envolvimento no mensalão.

André Vargas

1° de abril – Reportagem da Folha de S.Paulo revela que o doleiro Alberto Youssef disponibilizou um avião para que o deputado André Vargas (PT-PR), até então vice-presidente da Câmara, viajasse de férias com a família, em janeiro, para João Pessoa, na Paraíba. Dois dias depois, na tribuna da Câmara, Vargas disse que a relação dele com o doleiro era superficial. Entretanto, diálogos entre os dois, interceptados pela PF e publicados na imprensa, apontam que a dupla atua em conjunto.

Conexão Cachoeira

O Estado de Minas revela, com base nos dados da operação Lava a Jato, conexão entre o esquema do bicheiro Carlinhos Cachoeira e do doleiro Alberto Youssef. Duas empresas que receberam R$ 49 milhões do esquema de corrupção para abastecer campanhas políticas, que tinha a construtora Delta no centro, repassaram recursos à MO Consultoria, suspeita de ser utilizada por Youssef para o pagamento de propinas.

Lava a Jato 2

A PF desencadeou a segunda etapa da Operação Lava a Jato. Agora, o foco da ação, que teve origem para apurar uma organização criminosa que movimentou R$ 10 bilhões com a participação de doleiros, é a Petrobras. Agentes apreenderam contratos firmados entre a estatal e outras empresas que teriam sido intermediados por Paulo Roberto da Costa.

Com a barriga

Na Câmara Federal, após a decisão do Supremo Tribunal Federal em determinar a instalação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) só para apurar denúncias de desvios de dinheiro na Petrobras, os aliados do governo tentam ganhar tempo.

O líder do PT, deputado Vicentinho (PT-SP), solicitou, nesta quarta-feira, ao presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves, o adiamento para a primeira semana de maio (no dia 7) da eleição para o cargo de 1º vice-presidente da Câmara, que estava originalmente marcada para a semana que vem (29). O prazo para a candidatura oficial será até as 19 horas do dia 6 de maio.

O eleito vai substituir o deputado licenciado André Vargas (PT-PR), que renunciou à vaga na Mesa Diretora depois de denúncias de seu envolvimento com o doleiro Alberto Youssef, preso pela Polícia Federal.

As sete cabines de votação já estão sendo montadas no Plenário da Câmara, já que a eleição é feita por votação secreta. Para ser eleito, o candidato precisa do apoio de 257 deputados, ou seja, maioria absoluta da Câmara.

O presidente da Câmara enviou a todos os deputados petistas um ofício explicando as regras da eleição. Como a vaga da 1ª vice-presidência foi designada ao PT no início do ano passado, de acordo com a regra da proporcionalidade das bancadas, apenas deputados desse partido poderão concorrer à vaga.

Na carta de renúncia, oficializada na quarta-feira passada (16), Vargas diz que renunciou ao cargo para se concentrar em sua defesa sem prejudicar o andamento dos trabalhos da Mesa Diretora da Casa. Ele manteve o mandato de deputado.

Palavras Chave

Portal Correio
publicidade
© Copyright 2021. Portal Correio. Todos os direitos reservados.