Moeda: Clima: Marés:
Início Notícias

Trindade: Feminino de ‘poeta’ e equívocos no uso do ‘seu’

Padre Aristides e a “Folha de São Paulo”

No livro “Os Mártires de Piancó”, padre Manuel Otaviano, escritor paraibano e, na época, vigário daquela paróquia, conta um episódio envolvendo o padre Aristides (legendário sacerdote que enfrentou a Coluna Prestes, na Paraíba).

A cena aconteceu no Seminário em que os dois estudavam.

Certo dia, a poetisa (e não, poeta!) Auta de Souza visitou o Seminário. Foi formada uma fila de seminaristas para cumprimentar a ilustre visitante. Padre Aristides, ao cumprimentá-la, afirmou:

– Como vai a ilustre poeta?

Foi o bastante para os colegas do padre fazerem chacota. A poetisa deu-lhe um “carão”, e a direção do colégio deu uma advertência oficial.

Fosse esse episódio nos dias de hoje, e a “Folha de São Paulo” teria dado um prêmio ao sacerdote em questão.

É que a “Folha de São Paulo” não usa o feminino poetisa: só usa poeta. E diz mais, no Manual dela: “Não use poetisa. Use a poeta”. Só que a “Folha” não explica por quê.

Ora, não se pode simplesmente extirpar sufixo da língua. A “Folha” extinguiu o sufixo “Isa” do feminino da palavra poeta.

Então, de acordo com o “Manual de Redação” da “Folha”, deveríamos escrever a profeta (e não, profetisa), a papa (e não, papisa)? Durma-se com um barulho desse!

Abuso do possessivo ‘seu’

A escola brasileira tem negligenciado o ensino da semântica. Confunde-se ensinar Português com ensinar regras de gramática. O desprezo da primeira prática tem como consequências erros semânticos em textos de profissionais; sobretudo nas áreas jornalística e jurídica.

Assistimos, atualmente, ao abuso do possessivo “seu” (e flexões); algo deveras condenável.

Por ser pronome de terceira pessoa, “seu” dá, muito geralmente, ambiguidade ao texto e, quando isso não acontece, “enfeia” a frase.

Tomemos o seguinte exemplo:

O acusado teria assassinado a vítima no seu apartamento. (no apartamento de quem? Do acusado ou da vítima?).

Ainda quando não dá ambiguidade, o pronome “seu” geralmente é desnecessário. É muito comum ouvirmos de profissionais do Direito:

“O Código penal, no seu artigo 3º afirma (…).”

Ora, por que o seu? É desnecessário. Puro vício. Bastaria dizer:

O código penal, no artigo 3º afirma (…)

Até a próxima, querido leitor!

João Trindade

Comentários

Rafael disse:

Sobre “poeta” e “poetisa”, Sérgio Rodrigues, no livro “viva a língua brasileira!”, oferece uma explicação para o desuso do termo poetisa que passa pela busca de uma igualdade de gêneros, de maneira similar, mas contrária, ao que aconteceu com a ascensão da palavra “presidenta”.

João Pessoa disse:

Parabéns ao mestre Trindade.

João Pessoa disse:

Sempre claro o Igor Trindade.

Wellington Vicente disse:

Muito bom. Parabéns ao professor pelos alertas dados aos usuários da LP.

Deixe seu comentário
Seu endereço de email não será revelado.

publicidade
© Copyright 2022. Portal Correio. Todos os direitos reservados.