Jovem achada morta foi sequestrada e torturada por traficantes, conclui polícia

19
COMPARTILHE

Uma mulher de 22 anos foi presa, nesta terça-feira (21), apontada como uma das mandantes no sequestro, tortura e morte de Kletiane Sousa Dias, de 19 anos. A jovem foi encontrada morta no fim da tarde dessa segunda-feira (20), embaixo de uma ponte no município de Alhandra, na Grande João Pessoa. A ordem para matar veio de traficantes, segundo apurou o Núcleo Homicídios do Litoral Sul. Três suspeitos no crime já foram identificados, entre eles dois que já estão na lista do site Procurados PB (www.procurados.pb.gov.br)

Leia mais Notícias do Portal Correio

De acordo com a delegada Flávia Assad, responsável pelas investigações, Kletiane Sousa foi para um clube no município de Pitimbu, acompanhada de uma amiga. Após o evento, elas foram para o ‘Assentamento Apasu’, na companhia de rapazes. No local, estava ocorrendo uma confraternização e traficantes participavam da festa.

“Quando as meninas chegaram ao assentamento, Kletiane Sousa falou que era da cidade de Caaporã e teria comentando sobre o tráfico na região. Os participantes questionaram o que elas faziam na festa e se poderiam ser ‘informantes’. Nesse momento, as meninas foram torturadas e sequestradas. Elas foram levadas para outro ambiente”, disse a delegada.

Três homens em duas motocicletas levaram as jovens para a Zona Rural da cidade de Alhandra onde praticariam o duplo assassinato. “O objetivo era matar Kletiane que foi vista como alguém que ‘sabia demais’. Após ver que a amiga foi morta, a outra jovem pulou de uma ponte e conseguiu escapar”, adiantou Assad.

Após o registro do homicídio, o Núcleo de Homicídios do Litoral Sul iniciou a investigação e, até o momento, trabalha com a hipótese de que a morte foi ordenada por traficantes. “Uma mulher foi presa como uma das mandantes do crime. Como a vítima foi vista como uma espécie de ameaça pelo grupo, os traficantes mandaram matá-la”, revela a delegada, acrescentando que a mulher presa em flagrante foi indiciada por homicídio e sequestro.

A testemunha sobrevivente do crime confirmou que não houve estupro. Entretanto, a Polícia Civil solicitou exame sexológico na jovem assassinada.

A Polícia Civil pede para quem tiver informações sobre os autores do crime que ligue para o 197, Disque Denúncia. A identidade é mantida em sigilo.

Leia mais notícias em portalcorreio.com.br, siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e veja nossos vídeos no Youtube. Você também pode enviar informações à Redação do Portal Correio pelo WhatsApp (83) 9 9130-5078.

Em respeito à Legislação Eleitoral, o Portal Correio não publicará os comentários dos leitores. O espaço para a interação com o público voltará a ser aberto logo que as eleições de 2018 se encerrem.

Notícias mais lidas