Justi?a libera Ana Paula de uma das acusa??es na morte do modelo Dalmi

38
COMPARTILHE

Ana Paula Teodózio Carvalho, que respondia pela morte do modelo Dalmi Coelho Barbosa Filho e por porte ilegal de arma, foi absolvida da segunda acusação em decisão do Tribunal de Justiça da Paraíba (TJPB), na manhã desta terça-feira (28). Ela continua respondendo pelo crime de homicídio qualificado, ou seja, a Justiça não aceitou o recurso da defesa para esse caso. Dalmi Coelho foi morto a tiros em Santa Rita, Grande João Pessoa, no dia 22 de dezembro de 2012.

Leia mais Notícias no Portal Correio

Em sessão no dia 20 de março de 2014, Ana Paula foi levada a julgamento e condenada às penas de 18 anos de reclusão pelo homicídio e mais dois anos de reclusão pelo porte ilegal de arma, totalizando 20 anos de reclusão, em regime inicial fechado.

A defesa de Ana Paula não aceitou a decisão e recorreu, mas a Câmara Criminal resolveu, à unanimidade, dar provimento parcial ao apelo, mantendo a pena pelo homicídio, já que, segundo o TJPB, não há o que se discutir em relação a decisão, e excluindo a condenação por porte ilegal de arma de fogo, pois o objeto serviu apenas para consecução do crime, tendo um fim específico.

De acordo com o relator, desembargador Joás de Brito Pereira Filho, Ana Paula Teodozio de Carvalho não teve a intenção de portar só por portar a arma de fogo, servindo esta apenas como instrumento ou meio à execução do crime de homicídio.

O caso

Dalmi Coelho Barbosa, de 27 anos, modelo e servidor público, foi assassinado na manhã de 22 de dezembro de 2012, em Santa Rita. De acordo com os autos, o caso ocorreu após o modelo reagir a suposto assalto e ser baleado três vezes, morrendo no local.

Nas investigações, a Polícia Civil descobriu que Ana Paula teria sido a mandante do crime, porque ela nutria um amor obsessivo e não correspondido pela noiva do modelo, Raquel Teófilo Sousa, com quem idealizava manter um relacionamento amoroso. O assassinato de Dalmi foi considerado passional.

A polícia descobriu que o modelo saiu de uma academia e, quando caminhava em direção a residência onde morava, foi abordado por três homens que anunciaram o assalto. Em seguida, o trio roubou um celular e atirou várias vezes contra a vítima que teve morte imediata com o objetivo de simular o latrocínio.

Em entrevista exclusiva exibida no Cidade Alerta Paraíba ela negou que tivesse participado do crime.

Em respeito à Legislação Eleitoral, o Portal Correio não publicará os comentários dos leitores. O espaço para a interação com o público voltará a ser aberto logo que as eleições de 2018 se encerrem.

Notícias mais lidas