Moeda: Clima: Marés:
Início Notícias

Mãe e padrasto são suspeitos de espancar criança de dois anos

Um menino de dois anos foi internado no Hospital de Emergência e Trauma Senador Humberto Lucena, em João Pessoa, nessa terça-feira (20) após supostamente ser espancado. A mãe da criança, uma jovem de 17 anos, e o companheiro dela são suspeitos no caso, que ocorreu em Rio Tinto, Litoral Norte da Paraíba, a 52 km da Capital.

Leia também: ‘Todos podem ser maus’: Especialista diz até onde vai a maldade humana

Segundo a Polícia Militar, a criança foi socorrida para a Capital por uma avó. Primeiro, o menino foi atendido no Hospital Municipal situado no bairro Valentina Figueiredo, na Zona Sul da cidade, mas logo se constatou a necessidade de transferência para uma unidade mais avançada.

Conforme boletim divulgado pelo Hospital de Emergência e Trauma, o menino passou por procedimentos médicos e segue em observação, em quadro clínico estável.

A mãe da criança, acompanhada por representantes do Conselho Tutelar de Rio Tinto, foi conduzida à Delegacia de Polícia Civil da cidade vizinha de Mamanguape, onde prestou depoimento. De acordo com o delegado Thiago Cavalcanti, ela negou as agressões e atribuiu o caso a um suposto quadro de doença.

“Ela disse que a criança há alguns dias vinha apresentando quadro febril e ânsia de vômito. Ela informou que até chegou a levar o garoto a um posto de saúde em Rio Tinto”, contou o delegado.

As suspeitas sobre a mãe ainda não puderam ser afastadas, mas ela foi liberada da delegacia. Conforme Cavalcanti, a partir de informações do Conselho Tutelar, foi levantada a hipótese de que as agressões teriam sido cometidas pelo companheiro da jovem, que fugiu e não foi localizado até a publicação desta matéria.

Além do Conselho Tutelar, o caso está sendo investigado pelo delegado Deusdete Leitão, da Delegacia de Polícia Civil de Rio Tinto. Em contato com o Portal Correio, ele informou que instaurou um inquérito sobre o caso e que a polícia já iniciou buscas ao suspeito.

“Para tentar elucidar o caso, procuraremos colher depoimento do companheiro da mãe da criança, assim como de outros familiares, e faremos uma análise do exame de corpo de delito do garoto”, detalhou Deusdete.

Comentários

Deixe seu comentário
Seu endereço de email não será revelado.

publicidade
© Copyright 2022. Portal Correio. Todos os direitos reservados.