Início Geral

Mapeamento revela tendência pró-impeachment da bancada paraibana no Congresso

O mapa do impeachment revela que a bancada paraibana no Congresso tem a tendência de votar a favor do processo que pode afastar do cargo a presidente Dilma Rousseff (PT). Dos 12 deputados federais, apenas quatro assumiram que são contrários.

Leia também:

– Mapa do impeachment mostra posição de deputados e senadores da PB; acompanhe

– PMDB decide dia 29 se fica com Dilma; tendência é de rompimento, avisa Veneziano

No Senado Federal, os três representantes paraibanos devem votar a favor do impeachment de Dilma. O senador Cássio Cunha Lima (PSDB), líder da oposição, é um voto óbvio. José Maranhão (PMDB) já se declarou também favorável por entender que “há escândalos demais no país”. Raimundo Lira (PMDB) também deve seguir a orientação partidária, que antecipou para o próximo dia 29 a convenção nacional para decidir se rompe com o governo. A tendência do rompimento é cada vez mais forte.

Na Câmara, os deputados federais contra o impeachment hoje seriam:
Damião Feliciano (PDT), Luiz Couto (PT), Aguinaldo Ribeiro (PP) e Wilson Filho (PTB).

Os deputados federais Efraim Filho (DEM), Manoel Júnior (PMDB), Hugo Mota (PMDB), Benjamin Maranhão (SD) e Wellington Roberto (PR) votam pelo afastamento da presidente da República. O mesmo posicionamento tem o deputado federal Marcondes Gadelha (PSC), que está na vaga do titular do mandato Pedro Cunha Lima (PSDB). Mesmo que Pedro retome o mandato, o voto não muda.

Dois deputados paraibanos ainda estariam indecisos: Rômulo Gouveia (PSD) e Veneziano Vital do Rêgo (PMDB).

Ao Portal Correio, Rômulo Gouveia confirmou que na quinta-feira (17) houve uma reunião da bancada do PSD e o partido adotará uma postura conjunta sobre o processo. “Tivemos uma grande vitória com a eleição do presidente da Comissão do Impeachment, que é o líder da bancada da qual seu o vice-líder”, disse.

Veneziano disse que vai esperar a decisão da executiva nacional do PMDB, mas adiantou que vê o processo com muita muita calma. “Vou analisar sem nenhum problema. Se estiver convencido que não há crime de responsabilidade da presidente da República, posso votar contra. Se as provas disserem o contrário, posso votar a favor”, comentou.

Palavras Chave

Portal Correio

Comentários

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será revelado.

publicidade
© Copyright 2021. Portal Correio. Todos os direitos reservados.