Mesmo ap?s cr?ticas do Governo, Maranh?o mant?m apoio a RC

17
COMPARTILHE

O senador José Maranhão (PMDB) voltou a falar nesta terça-feira (12) sobre as críticas e acusações feitas pelo Governo do Estado a sua gestão quando ele era governador, em 2010. O peemedebista esclareceu que não atribuiu a nota divulgada pelo Governo, contra sua administração, ao governador Ricardo Coutinho e afirmou mantém o apoio do PMDB ao socialista.

Leia mais notícias de Política do Portal Correio

“Não atribuímos a ele [governador Ricardo Coutinho] próprio aqueles comentários e, sim, a sua assessoria oficial ou oficiosa. Sem sombra de dúvidas continuamos apoiando o governador, na Assembleia Legislativa e no Estado”, disse Maranhão em entrevista ao programa Correio Debate, da Rede Correio Sat.

Na Assembleia Legislativa da Paraíba o Governo conta com o apoio dos deputados peemedebistas Gervásio Maia e Olenka Maranhão. No Governo do Estado o deputado Trócolli Júnior comanda a secretária de Esporte.  

No fim de dezembro, em nota divulgada no jornal Correio da Paraíba, como direito de resposta a coluna de Lena Guimarães, mas assinada interinamente pela jornalista Adriana Bezerra, o Governo do Estado afirmou que a administração de Maranhão deixou um déficit orçamentário nas contas do Estado de R$ 411 milhões, além de uma herança de R$ 1,3 bilhão em débitos.

Também em nota, Maranhão rebateu as informações. Acusando os assessores do Governo de “despreparados”, Maranhão negou que tenha deixado “um débito de 1,3 bilhão de reais”. Segundo ele, essa informação é inverídica e já foi “rebatida inúmeras vezes, desde o início de 2011”, por ele e pelos seus componentes da equipe econômica em sua gestão. “É uma afirmação falsa, cavilosa e sem comprovação”, dizia a nota.

Sem querer se alongar sobre o episódio, Maranhão destacou que o político “precisa estar acostumado com injustiças”, pois, segundo ele, “elas vem de onde menos se espera”. “Aqui caberia uma frase: quem é do mar não enjoa”, finalizou.

 

Em respeito à Legislação Eleitoral, o Portal Correio não publicará os comentários dos leitores. O espaço para a interação com o público voltará a ser aberto logo que as eleições de 2018 se encerrem.

Notícias mais lidas