Início Geral

Método australiano reduziria em 33% custo de tratamento de água da Grande JP

Uma nova tecnologia chamada de Water Cleanser (limpador de água, em tradução direta), que é nativa da Austrália e foi importada por empresários brasileiros, promete ajudar a resolver os problemas da poluição nos rios e mananciais do país, como os que já estariam acontecendo nos reservatórios de Marés e Gramame, que abastecem a Grande João Pessoa. Esse método poderia reduzir de R$ 1,2 milhão para R$ 800 mil o custo mensal com tratamento de água na região metropolitana da Capital, o que representaria uma queda de 33,33%.


Leia também: Sudema inicia fiscalização para coibir poluição da água que abastece a Grande JP

A tecnologia, que é não recebe produtos químicos, foi trazida ao Brasil pelos empresários Joel de Oliveira, Luís Magalhães e Heráclito Ribas. O Water Cleanser é uma placa de cultura de bactérias que trabalham na limpeza de mananciais ou rios que estejam em processo de poluição ou totalmente poluídos.


Leia mais Notícias no Portal Correio

Além da Austrália, o novo método já conseguiu resolver problemas de poluição de mananciais na Nova Zelândia, EUA, Myanmar, México e Tailândia.

Em entrevista ao Portal Correio, Joel de Oliveira contou que a tecnologia chegou ao Brasil no início do ano e passou por testes em uma universidade do Rio de Janeiro, onde foi aprovada.

“A aplicação da tecnologia é simples, já que se trata de uma barra que fica imersa que é capaz de proliferar as bactérias boas do local, eliminando qualquer possibilidade de surgimento de organismo estranho ao ecossistema daquele ambiente. Ela foi testada na Universidade Santa Úrsula e aprovada. A placa conseguiu reduzir a zero os coliformes que estavam presentes no tanque de teste. Agora, estamos colocando a tecnologia no mercado para ajudar a despoluir os rios e mananciais do Brasil”, contou o empresário.

Durante a ação, a placa do Water Cleanser consegue aumentar significativamente os números de bactérias boas no ambiente. Essas bactérias são responsáveis por eliminar a poluição através do consumo de materiais que servem de alimentos para algas e bactérias nocivas e que podem causar doenças.

“A placa serve de casa para as bactérias boas e utiliza apenas oligoelementos, que são microminerais, que potencializam a reprodução dessas bactérias boas em trilhões de vezes mais rápido do que na natureza. Assim, o ambiente aquático é limpo mais rapidamente e com uma redução de custo que pode superar os 32% em comparação com o sistema atualmente utilizado pelas principais empresas do Brasil”, afirmou Joel.


Produto já é comercializado

Ainda segundo Joel, atualmente empresas de saneamento básico e distribuição de água nos estados do Rio de Janeiro, São Paulo, Santa Catarina e Minas Gerais estão em negociação para adquirir a tecnologia.

Com relação à Paraíba, o empresário contou que ainda não manteve ou recebeu contato da Companhia de Águas e Esgoto do Estado da Paraíba (Cagepa) ou da Secretaria de Recursos Hídricos, do Meio Ambiente e da Ciência e Tecnologia da Paraíba, mas entende que o Estado necessita de projetos para garantir a qualidade da água.

“Como estamos começando, ainda não conseguimos contato com empresas do Nordeste, especialmente da Paraíba. Sabemos da importância dessa tecnologia para o estado, já que, além dos problemas da seca, a poluição já está afetando os mananciais de água para a população. Esse é um problema nacional, e vamos tentar ajudar”, afirmou Joel Oliveira.


Projeto tentou despoluir Lagoa Rodrigo de Freitas

Joel também afirmou que houve tentativa de negociações com o governo do Rio de Janeiro e o Comitê Olímpico Internacional (COI) para que o Water Cleanser fosse utilizado na limpeza da Lagoa Rodrigo de Freitas, mas a organização das Olimpíadas informou que não daria tempo.

“Entramos em contato com o COI e o governo do Rio para tentar despoluir a Lagoa Rodrigo de Freitas, mas eles acharam que não daria tempo de terminar a despoluição antes das Olimpíadas. O que sabemos é que certamente os custos comparados com o processo de despoluição atual seriam bem menor”, contou Joel.

Tratamento da água para a Grande JP custa R$ 1,2 milhão por mês

Ao Portal Correio, a Cagepa informou que o tratamento adotado para distribuir água tratada a população da Grande João Pessoa é feito por duas estações de água, que realizam os processos de coagulação, floculação, decantação, filtração e cloração.

Ainda segundo a Cagepa, todo o processo de tratamento da água na Capital tem um custo de R$ 1,2 milhão, o que poderia ser reduzido para pouco mais de R$ 800 mil com a adoção do novo método, por exemplo. Além disso, o processo é feito obedecendo padrões estabelecidos pelo Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama).

“Levando-se em consideração o custo com produtos químicos, podemos considerar uma média de R$ 1,2 milhão [por mês]. A Cagepa executa análises dos mananciais dos pontos de captação das barragens de Gramame e de Marés em termos de metais pesados, agrotóxicos, algas e análises físico-químicas e bacteriológicas e até o presente momento encontram-se dentro dos padrões estabelecidos pela portaria nº 257/2005 do Conama para classe 2”, disse a Cagepa.

Estado reconhece importância e já desenvolve projetos

Segundo o secretário de Recursos Hídricos, do Meio Ambiente e da Ciência e Tecnologia da Paraíba, João Azevedo, qualquer tecnologia que possa beneficiar a população, que garanta a reutilização da água ou que diminua os custos com a limpeza dos mananciais, pode ser analisada pelo Estado.

O secretário também afirmou que a Fundação de Apoio à Pesquisa do Estado da Paraíba (Fapesq) desenvolve projetos relacionados com a reutilização da água.

“Temos o conhecimento dessa tecnologia. O que existe na verdade é que esse tipo de equipamento ou de tratamento pode ser implementado em estações de esgotamento sanitário e oferecer reuso para essa água. É uma técnica importante, principalmente para que você reutilize essa água para indústria ou para agricultura. Aqui no Estado, a Fapesq já começou a desenvolver alguns projetos para que a gente possa implementar o reuso para irrigação em algumas estações de tratamento aqui na Paraíba”, afirmou o secretário.

Leia mais notícias em portalcorreio.com.br, siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e veja nossos vídeos no Youtube. Você também pode enviar informações à Redação do Portal Correio pelo WhatsApp (83) 9 9130-5078.

Palavras Chave

Portal Correio

Comentários

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será revelado.

publicidade
© Copyright 2021. Portal Correio. Todos os direitos reservados.