CFMV

Exonomia

#SouRepórterCorreio

TV Correio

Injúrias
Delegacia de Polícia Civil de Patos (Foto: Reprodução)

Mulher é detida suspeita de postar injúrias contra a PM na internet

De acordo com o Sintep, minutos após a publicação, policiais entraram na sede do sindicato sem mandato judicial para conduzir a funcionária até a delegacia

962
COMPARTILHE

Uma funcionária do Sindicato dos Trabalhadores da Educação da Paraíba (Sintep) da cidade de Patos, no Sertão do estado, foi detida nessa segunda-feira (29) suspeita de postar injúrias contra a Polícia Militar através de uma rede social. De acordo com o Sintep, minutos após a publicação, policiais entraram na sede do sindicato para conduzir a funcionária até a Delegacia de Polícia Civil. Eles relataram que não havia mandado judicial para entrar no local.

Injúrias

Na publicação, a funcionária de 35 anos dizia que a polícia era “cheia de bandidos” e insinuou que os policiais se drogavam e furtavam os objetos apreendidos nos roubos. Confira o texto na íntegra, conforme relato repassado pelo sindicato. “Dentro da polícia é cheio de bandido. De ladrão de drogado. Muitos roubam celular, usam as drogas dos presos e muito mais“.

A diretora regional do Sintep, Verialúcia Dias de Lacerda, explicou que discussões políticas levaram a funcionária a publicar os comentários. “Dentro desse contexto de apuração, que as pessoas ficam discutindo nas redes sociais, ela acabou fazendo esse comentário”, revelou.

Pressão psicológica

Segundo a diretora, minutos após a publicação, três viaturas da Polícia Militar chegaram até a sede do sindicato, onde a funcionária se encontrava, e entraram no órgão para conduzir coercitivamente a mulher até a delegacia, por volta das 16h. A diretora do Sintep tentou argumentar com o capitão responsável pela ação que a funcionária estava grávida e preferia ir em carro particular, porém, o pedido não foi atendido.

Verialúcia ainda denunciou que a mulher sofreu pressão psicológica dentro da delegacia. “De instante em instante chegavam diversas viaturas na delegacia com policiais que ficavam a encarando. Solicitamos um médico para acompanhá-la e por volta das 18h ela foi liberada”, explicou a diretora.

Medidas judiciais

A diretora regional do Sintep comentou que ainda na noite dessa segunda (29) entrou em contato com o governador Ricardo Coutinho (PSB) para tratar sobre a situação. Além disso, a entidade afirmou que vai tomar medidas judiciais.

Na delegacia

O Portal Correio procurou o Comando da PM em Patos para comentar o caso, mas ninguém foi encontrado. Um soldado do 3º Batalhão da PM na cidade disse que não havia responsáveis e que ninguém estava autorizado a falar sobre a ocorrência. Em João Pessoa, a assessoria da PM também não respondeu à solicitação.

O responsável pelo caso é o delegado Demetrius Patrício, mas na tarde desta terça-feira (30) quem repassou as informações da ocorrência foi o delegado Ronis Feitosa.

Conforme os registros na delegacia, ele disse que a PM teria visto a postagem no Facebook da mulher e saiu em busca dela. Segundo o delegado, eles foram à casa da suspeita, não a encontraram e a localizaram no sindicato.

A mulher foi conduzida à delegacia, onde prestou depoimento, acompanhada de um advogado, confirmando que era autora do perfil e da postagem, mas que tinha se exaltado nas discussões, demosntrando aparente arrependimento.

Ronis disse que não constam nos registros questionamentos acerca da conduta da Polícia Militar em detê-la no local de trabalho. A mulher assinou um Termo Circunstanciado de Ocorrência (TCO), foi liberada e o caso foi encaminhado à Justiça. De acordo com o delegado, ela poderá responder por calúnia e difamação.

Os comentários estão desativados.

Notícias mais lidas