Na PB, senador do RS critica Levy, prega mudan?a no PT e pode deixar partido

12
COMPARTILHE

O senador do Rio Grande do Sul Paulo Paim (PT), em passagem por João Pessoa nesta quinta-feira (23), pregou pela reestruturação do seu partido, o PT, para que haja mudança na atual gestão da presidente Dilma Rousseff (PT). Em seu terceiro mandado no Senado, o parlamentar não esconde descontentamento com o governo sobre as medidas de ajuste fiscal, sobretudo com aquelas alteraram os direitos trabalhistas.

Leia mais notícias de Política do Portal Correio

Insatisfeito com as políticas adotadas pelo ministro da Fazenda, Joaquim Levy, para segurar a crise do país, ele afirmou que no PT do Rio Grande do Sul foi estabelecida a tese “muda PT para mudar o governo”. “Eu estou nesta expectativa, que a gente mude internamente, para influenciar mais o governo. A política do Levy não nos deixa confortável. Nós queremos que se mude essa política e vá de encontro com a distribuição de renda, com redução principalmente da taxa Selic”, disse.

Recentemente, o parlamentar expôs o descontentamento com a gestão petista ao afirmar que “não era esse o governo que tinha elegido”. Em entrevista ao programa Correio Debate, da Rádio Correio Sat, ele explicou o motivo da declaração. “O me surpreendeu e que me deixou de fato muito constrangido foi nós termos terminado o processo eleitoral e baixou duas medidas provisórias que pegava principalmente os trabalhadores, pegava o pescador, pegava a viúva, pegava a questão do seguro desemprego e pegava o abono também”, afirmou.

Mesmo fazendo parte da base aliada, ele destacou que trabalhou para mudar as medidas provisórias baixadas. “Fizemos o debate e alteramos profundamente. A viúva continua ganhando cem porcento, o seguro desemprego tinha 18 meses e voltou para um na, o pescador não teve nenhum prejuízo e a questão do abono também foi alterada. Foi isso que me causou naquele momento certo impacto e um certo constrangimento”, esclareceu.

Paulo Paim revelou que chegou a ser sugerido, por lideranças do PT, que ele deixasse o partido, já que, estava insatisfeito com administração da presidente. “Eu disse: ‘Eu não tenho problema nenhum’. Eu defendo causas, eu abraço as causas, as causas condizem a minha vida e eu com elas vou tocando. Se tiver que sair eu saio”, contou.

Sem descartar deixar a legenda, o senador afirmou que já recebeu o convite de mais de 30 partidos. “Recebi convite de todos os partidos, mais de 30 convites. Eu continuo dizendo que minha posição é essa: é mudar o PT para mudar o governo”.

Em respeito à Legislação Eleitoral, o Portal Correio não publicará os comentários dos leitores. O espaço para a interação com o público voltará a ser aberto logo que as eleições de 2018 se encerrem.

Notícias mais lidas