Início Geral

Oposição vai à Justiça se mesa da CMJP indeferir CPI da Lagoa

A bancada de oposição na Câmara de Vereadores de João Pessoa decidiu que vai judicializar o processo de instalação da Comissão Parlamentar de Inquérito, requerido na última quarta-feira (9) para apurar supostas irregularidades e desvios de verbas nas obras de revitalização do Parque Solon de Lucena. O vereador Raoni Mendes (PDT) disse que a posição vai à Justiça para garantir o funcionamento da CPI. Veja vídeo abaixo.

Leia também: Cartaxo: “CPI é dor de cotovelo. Vou entregar obras da Lagoa, doa em quem doer”

Nesta quinta-feira (10), o presidente da Câmara Municipal de João Pessoa, vereador Durval Ferreira (PP), recebeu mais três pedidos de instalação de CPIs encaminhados da tribuna do plenário pelo vice-líder da base governista, Dinho (PMN). Duas pedem investigações sobre licitações e convênios para compra de materiais na gestão do então prefeito da Capital, Ricardo Coutinho. A terceira quer investigação sobre a Cagepa, que estaria poluindo os mananciais do município, mesmo com multa estipulada em R$ 400 mil pelo Ministério Público.

Durval disse que analisaria todos os pedidos, mas ponderou que além dessas quatro, ainda exite uma quinta iniciativa de CPI pela bancada de oposição. Segundo ele, por ano, só três comissões parlamentares de inquérito podem funcionar na Câmara Municipal. Durval prometeu remeter todos os pedidos para análise da Procuradoria da CMJP e só dar um despacho após o parecer jurídico.

A oposição entende diferente. “O regimento prevê uma ação clara que o presidente despacha de plano para instalar a CPI”, disse Raoni Mendes. “Caso ele não venha a aprovar a CPI, nós vamos recorrer à Justiça para manter o nosso direito de fiscalizar”, arrematou.

Veja o vídeo do Portal.

Palavras Chave

Portal Correio

Comentários

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será revelado.

publicidade
© Copyright 2021. Portal Correio. Todos os direitos reservados.