Início Geral

Orquestra Sinf?nica da Para?ba se apresenta nesta quinta em Jo?o Pessoa

A música latino-americana e brasileira darão o tom na quinta apresentação oficial da temporada 2014 da Orquestra Sinfônica da Paraíba. A apresentação acontece, nesta quinta-feira (13), sob a regência do maestro Arthur Barbosa, que conduzirá suas próprias composições. O solista convidado é Flávio Gabriel, premiado trompetista brasileiro. O concerto gratuito começa às 20h30, na Sala de Concertos Maestro José Siqueira, localizada no Espaço Cultural José Lins do Rego, em João Pessoa.

Leia mais notícias de Entretenimento no Portal Correio

A abertura será com o “Concerto Latino-americano”, para trompete e orquestra. A composição traduz, como muitas obras de Arthur Barbosa, a busca do compositor por uma sonoridade sinfônica que representa de forma clara e característica a cultura da América Latina. Em dois dos três movimentos, o autor usa como acompanhamento, além da percussão tradicional, uma bateria, com o intuito de romper supostas barreiras entre a música dita “erudito-acadêmica” e a música popular. A obra está dedicada pelo autor a Flávio Gabriel, exímio e premiado trompetista brasileiro da atualidade.

O primeiro movimento começa com uma Promenade, em que o trompete solista se mostra com toda sua potência sonora e sua capacidade timbrística de se sobrepor ao som da massa orquestral. Em seguida, o tímpano anuncia o que vai, aos poucos, se transformar num jequibau, ritmo criado no Brasil, pouco explorado, e que se caracteriza por ser um “samba” escrito num compasso 5/4. Esse ritmo foi criado na época em que a Bossa Nova era o ritmo da vez, e muitos “tipos” de bossa foram experimentados e usados por compositores da época. Apesar de calcado nesse ritmo brasileiro, o movimento passeia por ideias complementares que sugerem outros ritmos latino-americanos.

No segundo movimento, há um momento íntimo do Trompete solista (ou Flugelhorn, sugerido pelo compositor) e a sessão de cordas da orquestra. É uma milonga lenta característica da parte sul do continente sul-americano. Ele sugere toda a topografia da região dos pampas, plana, porém com algumas ondulações denominadas coxilhas nitidamente descritas pelo acompanhamento das cordas, com pequenos crescendos e decrescendos sugerindo essas ondulações. Por cima disso, a melodia temática do trompete aparece para sugerir a perenidade da paisagem pampeana. Pequenas cadencias são ouvidas durante todo o movimento em clima intimista.

Uma transição em ostinato leva ao tema do terceiro movimento. Nele, o autor se inspirou em uma festa no México, país onde o trompete é muito valorizado na música popular. Mas apesar de muitas vezes a música lembrar o som dos “mariachis”, o autor trata regularmente de fugir do óbvio, optando por mesclar com alguns “batuques” e outros ritmos que nos evocam à América Central. O movimento é alegre, extremamente difícil para o solista e transita entre grandiosos tuttis orquestrais e solos sistemáticos e obstinadamente rítmicos.

País de ritmos

O concerto é, portanto, uma atitude de Arthur Barbosa de trazer ao público da música de concerto sensações e climas que sugerem que existe apenas um tipo de música e que as barreiras muitas vezes criadas pelo homem não representam o verdadeiro espírito da “Arte das Musas”, o de ser universal e para todos.

A Sinfonia Brasileira de Arthur Barbosa retrata de forma resumida todo um passeio por um país de ritmos e cores que, certamente, possui uma das músicas mais diversas do planeta. No primeiro movimento, ouve-se a o ritmo e a harmonia da Bossa Nova que rapidamente transformam-se num Chorinho, ritmos que são irmãos do Samba que é retratado posteriormente; ouve-se também, de forma divertida, o toque do Maxixe, que é avô de todos os ritmos citados acima. Todo o movimento é uma espécie de brincadeira com melodias e ritmos que se misturam constantemente.

O segundo movimento faz a vez do Scherzo de uma sinfonia tradicional, juntando o Maracatu, ritmo de origem africana característico do litoral da região Nordeste, mesclado a um tema que lembra a música Caipira e, até mesmo, temas de origem Indígena. Logo em seguida, apresenta-se um Frevo em forma de fuga em um grande crescendo de timbres. Uma breve coda finaliza o movimento com o tema inicial das trompas.

No terceiro movimento, em andamento lento, viajamos ao sul do Brasil onde um tema em forma de Milonga (ritmo parente próximo do tango argentino) é o motivo principal que é apresentado de maneira suave e às vezes dramática. Em outros momentos ouve-se uma Rancheira, que é um ritmo mais dançante também muito característico da cultura regional dos pampas.

O quarto movimento é um Finale onde o tema principal é um Baião, ritmo peculiar do Nordeste, assim como outros ritmos oriundos da mesma região como as Cavalhadas; ouve-se neste movimento as bandas de pífanos (pequenas flautas rústicas de madeira, típicos instrumentos de sopro indígenas) e também o som das rabecas (violinos feitos e tocados de forma rústica). A zabumba, que é um tambor característico do baião, é aqui representada pelo bumbo com intervenções peculiares ao instrumento. O final é grandioso e, de forma simbólica, representa a própria força da música deste país-continente.

Palavras Chave

Portal Correio

Comentários

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será revelado.

publicidade
© Copyright 2021. Portal Correio. Todos os direitos reservados.