Para?ba deve ganhar mais dois munic?pios com aprova??o de projeto no Senado

15
COMPARTILHE

Por 57 votos a nove, o Senado aprovou, nessa quarta-feira (15), o Projeto de Lei do Senado Complementar 199/2015, que regula a criação, incorporação, fusão e desmembramento de municípios. O projeto irá a exame da Câmara, se aprovado pelos deputados, será encaminhado à sanção presidencial e a Paraíba passará a ter mais dois municípios.

Leia mais notícias de Política no Portal Correio

De acordo com as regras do projeto, a quantidade mínima de habitantes exigida para a criação de um município na região Nordeste é de 12 mil habitantes. No estado, dois distritos atendem ao requisito: São José da Mata, em Campina Grande, que possui 13 mil habitantes, e Livramento, em Santa Rita, com 12 mil.

Em maio, a série de reportagens ‘Maioridade Municipal’, da RCTV, abordou a proposta do Senado de devolver para as assembléias legislativas o poder de criar novos municípios e como as 52 cidades criadas em 1994 pela ALPB redesenhou o mapa paraibano e mudou a vida dessas comunidades. A série foi idealizada e A série foi idealizada e produzida pelo jornalista Hermes de Luna e contou com a edição da jornalista Eufênia Coelho, da TV Correio. Reveja as reportagens nos links abaixo.

Senado quer devolver para as assembleias o poder de criar novos municípios; vídeo

* Série ‘Maioridade Municipal’, da RCTV, mostra desafios de 52 municípios criados há 21 anos

Outros dois projetos similares foram vetados anteriormente pela presidente Dilma Rousseff, por considerar a iniciativa prejudicial ao Erário. No entanto, o autor da proposta, senador Flexa Ribeiro (PSDB-PA), disse que o projeto estabelece critérios rígidos para a criação de municípios, e atende os interesses de muitos distritos que reivindicam emancipação.

Senadores favoráveis ao projeto alegaram que a proposta não libera, mas apenas organiza a criação de novos municípios, visto que a realidade do Sul e Sudeste é diferente da de outras regiões, que muitas vezes concentram distritos localizados a centenas de quilômetros da sede dos municípios, sem a oferta de qualquer serviço público. Esse foi o argumento do relator, senador Valdir Raupp (PMDB-RO), dos senadores Blairo Maggi (PR-MT) e João Alberto Souza (PMDB-MA) e das senadoras Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM) e Lídice da Mata (PSB-BA). Contrários à proposta, os senadores Randolfe Rodrigues (PSOL-AP), João Capiberibe (PSB-AP) e Reguffe (PDT-DF) alegaram que o projeto é inadequado diante da atual situação financeira do país.

Critérios

O PLS 199/2015 — Complementar resgata quase todo o conteúdo do PLS 104/2014, de autoria do ex-senador Mozarildo Cavalcanti, vetado por Dilma em agosto de 2014. O projeto de Flexa Ribeiro reúne critérios de viabilidade; exigências de população mínima; e regras para a apresentação de proposta de fusão ou desmembramento de municípios às assembleias estaduais e de realização de plebiscito para consulta à população interessada.

O ponto de partida para a criação de novos municípios, de acordo com o texto, será a apresentação de requerimento à assembleia legislativa estadual, apoiado por 20% do eleitorado da área alvo de emancipação ou desmembramento ou 3% dos eleitores de cada um dos municípios com pretensões de fusão ou incorporação. Também terão de ser feitos estudos de viabilidade municipal.

A criação de novos municípios também depende do alcance de um contingente populacional mínimo. Assim, depois de fundido ou dividido, sua população deverá ser igual ou superior a 6 mil habitantes nas Regiões Norte e Centro-Oeste; 12 mil na Região Nordeste; e 20 mil nas Regiões Sul e Sudeste.

A área urbana também não poderá estar em reservas indígenas, área de preservação ambiental ou terreno pertencente à União. Outro critério a ser observado é a existência de um número mínimo de imóveis, que precisa ser superior à média dos municípios que correspondam aos 10% de menor população no estado.

Em respeito à Legislação Eleitoral, o Portal Correio não publicará os comentários dos leitores. O espaço para a interação com o público voltará a ser aberto logo que as eleições de 2018 se encerrem.

Notícias mais lidas