Per?cia descarta que funcion?ria de call center morta em JP tenha sido v?tima de bala perdida

17
COMPARTILHE

Suênia Souza, funcionária de um call center, morta no dia 7 de janeiro deste, em João Pessoa, não foi vítima de bala perdida. A conclusão é dos peritos criminais do Instituto de Polícia Científica (IPC) da Capital.

“A dinâmica do crime constatou que Suênia não foi vítima de bala perdida. Ficou claro que o atirador tinha um alvo, mas isso não significa dizer que ela seria o alvo dele. A população deve ajudar a polícia a elucidar o crime denunciado através do 197”, disse o perito criminal Herbet Boson, ouvido pelo Portal Correio após a entrevista coletiva concedida pela Delegacia de Homicídios de João Pessoa

Leia também: Grupo pede justiça pela morte de funcionária de call center; pai acredita em execução

Segundo o perito criminal, a vítima teve dois ferimentos ao ter sido atingida por um disparo de revólver calibre 38. A reconstrução da dinâmica do crime através do impacto de projéteis em estruturas da área do homicídio comprovou que o primeiro tiro foi efetuado de uma distância de cerca de 60 metros. A técnica utilizada nesse caso foi pioneira no Brasil. 

Leia mais Notícias do Portal Correio

Os trabalhos da dinâmica mostraram ainda que o suspeito perseguiu a vítima e cerca de 20 metros depois do primeiro disparo, atirou novamente, atingindo Suênia Souza. A conclusão pericial será entregue ao delegado de Homicídios de João Pessoa, Luiz Cotrim, que investiga o caso, para fins de elucidação do homicídio.

*A matéria foi atualizada às 11h28 desta quinta (28) para incluir a informação do perito, com a confirmação do que já havia sido adiantado pelo Portal Correio, de que a vítima não foi morta por bala perdida.

 

Em respeito à Legislação Eleitoral, o Portal Correio não publicará os comentários dos leitores. O espaço para a interação com o público voltará a ser aberto logo que as eleições de 2018 se encerrem.

Notícias mais lidas