Moeda: Clima: Marés:
Início Cultura

Programação da Usina Energisa tem exposição, Festival do Japão e show

Serão três dias recheados de workshops, palestras, animes, games, karaokê, k-pop, exposições, apresentações musicais e oficinas
Usina
Foto: Divulgação

A riqueza e os encantos da cultura japonesa desembarcam, nesta sexta-feira (17), na Usina Cultural Energisa. Realizado pela Universidade Federal da Paraíba e pela Aliança Cultural Brasil-Japão (ACBJ-PB), o Festival do Japão na Paraíba chega à décima sétima edição com uma programação vasta. 

Serão três dias recheados de workshops, palestras, animes, games, karaokê, k-pop, exposições e apresentações musicais, além das oficinas de japonês, mangá, origami, ikebana divertimusicalizando e de orinuno e taiko. O evento será realizado nesta sexta, sábado (18) e domingo (19), a partir das 9h. Os ingressos podem ser adquiridos clicando aqui.

Além do Festival do Japão, a programação da Usina inclui, ainda, a exposição coletiva dos artistas Vanessa Dias e Davi Queiroz: ‘Anamnese e Vultus’. Selecionado no Edital de Ocupação Artes Visuais da Secretaria Especial da Cultura/ Ministério do Turismo (Lei Rouanet) e patrocínio Energisa Paraíba, o trabalho traz cinco obras (pinturas, desenhos e objetos) produzidas entre 2018 e 2022. A abertura da exposição acontece às 19h desta quinta-feira (16), na Galeria de Arte da Usina, e fica aberta ao público de terça a sábado, das 13h às 18h, até 16 de julho.

No Café da Usina, a programação do fim de semana tem shows de forró e rap. Nesta quinta (16), acontece a apresentação de Forrozin Beats com DJAC (Alysson Carlos) e participação de Lady Wilma; na sexta (17), o Café da Usina recebe mais uma edição do Rap Sessions e no sábado (18), Madu Ayá e Diógenes Ferraz apresentam ‘Amoroso Cangaço’, cantando suas próprias músicas e clássicos do repertório nordestino. Os shows começam sempre às 21h e os ingressos podem ser comprados na bilheteria do Café.

Seguindo o último decreto da Prefeitura Municipal de João Pessoa, o uso de máscaras não é obrigatório para quem já tomou as três doses contra a Covid-19. Entretanto, para aproveitar os eventos na Usina, é preciso apresentar o cartão de vacina em dia. Além disso, recomenda-se distanciamento e uso de álcool em gel.

Confira a programação completa:  

Quinta-feira, 16 de junho
Local: Galeria de Arte da Usina
Horário: 19h
Evento: Vernissage da exposição “Anamnese e Vultus”

Entrada: gratuita 

Quinta-feira, 16 de junho
Local: Café da Usina
Horário: 21h
Evento: Forrozin Beats com DJAC e participação de Lady Wilma

Entrada: R$ 15

Informações: O paraibano Alysson Carlos (DJAC) apresentará um repertório recheado de forrós ‘das antigas’. Estilos como o ‘Pé de Serra’ e o ‘Duplo Sentido’ estão no setlist, assim como algumas de suas remixagens. A coreógrafa e bailarina Lady Wilma fará três apresentações de forró bellydance em momentos especiais, trazendo ainda mais brilho e cultura para o show.

Sexta, sábado e domingo, 17 a 19 de junho
Local: Usina
Horário: a partir das 9h
Evento: XVII Festival do Japão na Paraíba

Ingressos à venda pelo site: https://www.sympla.com.br/xvii-festival-do-japao—joao-pessoapb__1600860

Sexta-feira, 17 de junho
Local: Café da Usina
Horário: 21h
Evento: Rap Sessions

Entrada: R$ 15

Informações: O coletivo de Rap Sessions é muito mais poesia do que ritmo. O rap é carregado em suas letras por ter conteúdo político e pela valorização da cultura. Esse movimento possibilita aos jovens a valorização de si mesmo, da periferia, da informação e a substituição da violência pela força das ideias e das palavras. Artistas que irão participar dessa festa: @mandi.holmes, @dryt_andre, @_nevike e @djnelnobeat.

Sábado, 18 de junho
Local: Café da Usina
Horário: 21h
Evento: Amoroso Cangaço com Madu Ayá e Diógenes Ferraz

Entrada: R$ 10

Informações: Amoroso Cangaço é o encontro de Madu Ayá e Diógenes Ferraz que acontece em um único momento do ano: o São João. Nasceu em 2018, vindo da vontade de ser poesia e Cangaço, de homenagear a musicalidade regional, cantando juntinhos suas próprias músicas e clássicos do repertório nordestino. A dupla resgata as raízes com seus arranjos independentes e contagiantes, galopando no verso certeiro do Chico César: alpercatas de aço, o amoroso cangaço.

Palavras Chave

Cultura

Comentários

Deixe seu comentário
Seu endereço de email não será revelado.

publicidade
© Copyright 2022. Portal Correio. Todos os direitos reservados.