Início Geral

Projeto Sereias da Penha representa o Brasil em evento nos Estados Unidos

O projeto Sereias da Penha, desenvolvido com o apoio da Prefeitura Municipal de João Pessoa (PMJP), foi escolhido como exemplo de sucesso para representar o Brasil nos Estados Unidos no programa de intercâmbio – ‘EFL Educators Program 2016’. A iniciativa, que é um programa de desenvolvimento profissional que envolve professores de inglês, aconteceu no período de 26 de março a 8 de abril e contou com a participação de 25 países diferentes.

Leia mais Notícias no Portal Correio

A professorado Departamento de Letras Estrangeiras Modernas da Universidade Federal da Paraíba (UFPB),  doutora Mariana Pérez, é a única representante do Brasil no programa. Ela afirmou ter escolhido levar como exemplo de sucesso do artesanato brasileiro o Sereias da Penha não apenas por seu caráter artístico e estético, mas, sobretudo, por sua vocação transformadora e empreendedora.

“Fiquei muito feliz e orgulhosa de poder apresentar um projeto que envolve o humano, de forma tão significativa e única como as Sereias da Penha. Foi algo especial contar a história do projeto, que tem a educação e o protagonismo feminino como ponto de partida, e mostrar peças únicas, cheias de arte e beleza, feitas pelas mãos de nossas mulheres. Há pessoas agora em todo o mundo que sabem do projeto e querem vir conhecer a nossa cidade”, relatou.

Ainda de acordo com Mariana Pérez, a receptividade dos participantes do programa foi muito grande. “Os professores de vários países, além de professores dos Estados Unidos e servidores da Embaixada Americana, encantaram-se pelas peças das Sereias da Penha. Quando souberam um pouco sobre o projeto, as pessoas ficaram ainda mais impressionadas com todo o trabalho por trás das peças e como poderiam adquirir os colares. O fato de as peças serem feitas com materiais naturais, como escamas de peixes, também chamou a atenção das pessoas”, relatou.

Programa — O EFL Educators Program 2016 envolveu a participação de 25 professores universitários e educadores de 25 países diferentes. Pela própria natureza do programa, a troca cultural é uma das bases do intercâmbio e envolveu não apenas professores dos EUA, mas de países como África do Sul, Estônia, China, Líbano, Turquia, Bangladesh, Venezuela, Paraguai, Myanmar, Rússia, Uzbequistão, entre outros.

Palavras Chave

Portal Correio

Comentários

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será revelado.

publicidade
© Copyright 2021. Portal Correio. Todos os direitos reservados.