Ensino Superior

Fique ligado

#SouRepórterCorreio

TV Correio

Parede de reservatório rompeu em JP (Foto: Imagem compartilhada no WhatsApp)

Reservatório que estourou em JP estava sem manutenção há 6 anos

Conforme um diretor da Cagepa, parte da estrutura externa de ferro do reservatório estava oxidando, mas isso não teria sido a causa do rompimento

597
COMPARTILHE

O reservatório de água da Companhia de Água e Esgotos da Paraíba (Cagepa) que rompeu na tarde desse domingo (24), em João Pessoa, estava sem manutenção preventiva há seis anos. A informação foi confirmada nesta terça-feira (26) pelo diretor de Operações e Manutenção da Cagepa, Joaquim Almeida, durante entrevista ao Correio Debate da Rede Correio Sat.

Leia também: Rompimento em JP derrama mais de 2 mi de litros de água

Conforme Joaquim, parte da estrutura externa de ferro do reservatório estava enferrujado. O local deveria passar por manutenção ainda neste ano, mas a estrutura não suportou a água.

“Nesse reservatório foi [feita manutenção] em torno de seis anos. Não só nesse reservatório da Diogo Velho como em outros reservatórios de João Pessoa como do estado. Parte do ferro já apresentava uma oxidação na parte externa. [Mas] o fato de o ferro iniciar oxidação não significa dizer que levou a um comprometimento total da estrutura”, afirmou o diretor.

Defesa diz que falta de manutenção afetou estrutura

Ao CORREIO DA PARAÍBA, técnicos da Defesa Civil de João Pessoa informaram que promoveram uma inspeção no reservatório, durante essa segunda, e suspeitam que a falta de manutenção pode ter sido a causa do rompimento da parede da estrutura.

“Ainda vamos esperar o resultado do laudo, mas temos quase certeza de que foi falta de manutenção. As partes metálicas das paredes tinham muito ferrugem e com um tempo isso danifica a estrutura”, explicou o coordenador da Defesa Civil da Capital, Noé Estrela. Ele disse que o laudo com o resultado da vistoria deve sair amanhã. A Companhia de Água e Esgoto da Paraíba (Cagepa) foi notificada pelo órgão municipal e, em nota, informou que a manutenção dos reservatórios é feita periodicamente.

Noé Estrela revelou ainda que solicitou à Cagepa um relatório com a localização e as condições físicas dos demais reservatórios que contém estruturas apoiadas elevadas. Segundo ele, a Companhia deverá encaminhar o documento em um prazo de dez dias a contar dessa segunda-feira (25). “São reservatórios antigos e nós queremos saber as condições dessas estruturas para prevenir possíveis danos. Esse reservatório do Centro terá que ser demolido porque a estrutura está toda comprometida”, disse o coordenador da Defesa Civil.

Sobre a vistoria realizada pela Defesa Civil Municipal, a Cagepa informou que uma empresa terceirizada foi contratada para fazer uma avaliação na estrutura danificada no último domingo.

O caso

Mais de 2 milhões de litros de água limpa foram desperdiçados após o rompimento do reservatório. A Cagepa informou nessa segunda-feira (25) que instaurou uma sindicância para investigar o que provocou o problema.

Após o estouro da estrutura, houve alagamentos nas ruas, muro derrubado, carros atingidos por concreto e comerciantes prejudicados.

Os bairros que dependem da água do reservatório que se rompeu estão com problemas no abastecimento de água. A previsão é de que o abastecimento seja totalmente normalizado somente no fim desta semana.

Conforme nota enviada à imprensa nesse domingo, os bairros com problemas de abastecimento são: Jaguaribe, Centro, Varadouro, Roger, Tambiá, Alto do Céu, Salinas Ribamar, Porto de João Tota e Vem-Vem.

Em respeito à Legislação Eleitoral, o Portal Correio não publicará os comentários dos leitores. O espaço para a interação com o público voltará a ser aberto logo que as eleições de 2018 se encerrem.

Notícias mais lidas