Risco de acidentes aumenta com fogos no São João; veja como evitar ou tratar queimaduras

14
COMPARTILHE

O período de São João é tido pelos hospitais e pelo Corpo de Bombeiros como uma das épocas com maior incidência de acidentes envolvendo queimaduras com fogos de artifício, balões ou fogueiras. Veja abaixo dicas de como prevenir esses acidentes ou de como agir em caso de queimaduras.

Leia também: Sudema prevê multa de até R$ 50 mil para venda ilegal de lenha e alerta sobre fogueiras

De acordo com a Sociedade Brasileira de Dermatologia, uma queimadura acontece quando a pele entra em contato com objetos muito quentes, que estejam pegando fogo, que sejam muito frios, contato com produtos químicos, radiações, fricções ou pela eletricidade. Com isso, a pele é parcialmente ou totalmente destruída, causando danos a pelos, músculo e até ossos.

O contato com esses objetos pode causar, além das queimaduras, a amputação de membros, mutilações, lesões nos olhos e até surdez.

No São João, as principais causas de queimaduras são decorrentes de acidentes com fogos de artifício, fogueiras ou balões, especialmente quando os objetos são manuseados por crianças ou pessoas sem as habilidades necessárias.

Nesses casos, as queimaduras mais comuns são de 1º grau, quando a camada superficial da pele é atingida, causando lesão vermelha, quente e dolorosa; e 2º grau superficial, quando a queimadura gera bolhas e muita dor, e de 2º grau profunda, quando é menos dolorosa, mas a base da bolha é esbranquiçada e seca.

Já em casos mais graves as queimaduras são de 3º grau, quando atinge todas as camadas da pele, podendo chegar aos ossos e gerar deformações no corpo da vítima.


Traumas de JP e CG recebem vítimas

Em João Pessoa, o local de referência para o tratamento de pacientes com queimaduras é o Hospital de Emergência e Trauma, que fica no bairro do Pedro Gondim, na Zona Norte da Capital. A unidade recebeu, apenas em 2015, 1.234 pacientes vítimas de queimaduras.

Segundo o Trauma, que lançou a Campanha de Prevenção às Queimaduras ‘Marcas que Ficam Para Sempre’, crianças entre os 0 e os 12 anos são as que mais sofrem queimaduras nessa época de São João.

Já o Hospital de emergência e Trauma em Campina Grande é a referência no atendimento a queimados da região do Agreste e Sertão do estado.

De acordo com a médica Isis Lacerda, as vítimas de queimaduras em época junina correspondem a um terço dos atendimentos na Unidade de Queimados da unidade, que recebeu, em junho de 2015, 23 pessoas atendidas com ferimentos causados por fogos e fogueiras, sendo 14 crianças na faixa etária de zero a 12 anos.


Veja como se cuidar

De acordo com o Trauma de Campina Grande, as queimaduras decorrentes de acidentes na época de São João podem ser evitadas se os responsáveis pelas fogueiras, balões ou pelos fogos tomarem cuidados e evitarem a aproximação de crianças.

Entre as dicas estão: não segurar fogos de artifício com as mãos; não transportar fogos nos bolsos; não permitir que crianças tenham acesso a fogos de artifício; não ficar próximo de rojões no momento em que ele for solto; não reacender fogos que falharem; soltar fogos apenas ao ar livre, um de cada vez; ter recipiente de água por perto para colocar os fogos que falharem, evitando uma explosão imprevista; não soltar fogos em área próximas de rede elétrica ou de produtos inflamáveis; e não soltar fogos durante ou após o consumo de bebida alcoólica.

Já o tratamento depende do tipo de queimaduras que a vítima sofrer. Segundo a Sociedade Brasileira de Dermatologia, queimaduras de 1º grau devem ser tratadas com compressas frias nas primeiras horas após o acidente, e o local pode ser molhado com óleo mineral ou vaselina liquida. O uso de manteiga ou pasta de dente é proibido.

Em caso de queimadura de 2º grau superficial, a bolhas devem ser drenadas por um médico, mas não retiradas. Após o tratamento das bolhas, a vítima pode manter o local limpo com lavagem em água corrente. Após a cicatrização, o local do ferimento deve ser protegido com filtro solar para evitar manchas na pele.

Já em casos de queimadura de 2º grau profundas ou de 3º grau, o tratamento muitas vezes é feito com internação hospitalar, já que a vítima pode apresentar desidratação e outros sintomas.

A equipe médica pode ser obrigada a retirar partes de pele necrosadas por conta dos ferimentos e até realizar enxertos nesses locais. Todos os pacientes com queimaduras de 2º e 3º graus devem tomar vacina contra o tétano, ingerir muito líquido e manter os membros acometidos elevados, para alívio da dor e do edema.


Corpo de Bombeiros combate irregularidades

Segundo o Corpo de Bombeiros, apenas neste mês, equipes de fiscalização apreenderam 900 unidades de fogos de artifício que estavam sendo vendidos sem nota fiscal e em locais não autorizados em diversas localidades da Grande João Pessoa.

Na Grande João Pessoa, apenas 15 estabelecimentos, situados ao lado do Estádio Almeidão, no bairro do Cristo, possuem autorização do Corpo de Bombeiros para comercializar os fogos.

Ainda segundo o corpo de Bombeiros, em junho de 2015, a corporação combateu 409 incêndios, o que representou mais da metade da média nos meses anteriores, com boa parte dos casos tendo relação com queima irregular de fogueiras e a soltura sem supervisão de fogos de artifício.

Leia mais notícias em portalcorreio.com.br, siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e veja nossos vídeos no Youtube. Você também pode enviar informações à Redação do Portal Correio pelo WhatsApp (83) 9 9130-5078.

Em respeito à Legislação Eleitoral, o Portal Correio não publicará os comentários dos leitores. O espaço para a interação com o público voltará a ser aberto logo que as eleições de 2018 se encerrem.

Notícias mais lidas