Início Geral

Ronda Rousey ataca Cris Cyborg: ?Ela deveria ser acusada de tentativa de homic?dio?

Ronda Rousey não se cansa de atacar a brasileira Cris Cyborg. Desta vez, a americana disse que a rival deveria responder por tentativa de homicídio por ter pisado no octógono sob efeitos de substâncias proibidas. Em entrevista ao programa MMA Hour, a campeã peso-galo (61 kg) do UFC falou que é perigoso permitir uma lutadora como Cyborg de poder lutar.

Leia mais notícias de Esportes no Portal Correio

— Se a minha luta contra Cyborg vai acontecer ou não? Pouco me importa. Eu luto e acabo com ela. Mas, na minha opinião, ela deveria ser acusada de tentativa de homicídio. Lutar sob efeito de esteroides anabolizantes é o mesmo que lutar com uma arma. A única razão pela qual somos autorizados a lutar MMA é, pela forma como o esporte existe hoje, que ele é seguro. Mas se continuarem a injetar drogas proibidas em lutadores, o esporte ficará cada vez menos seguro, e no dia em que alguém morrer no octógono e seu adversário ou adversária estiver sob efeito de esteroides, estaremos diante do primeiro caso de assassinato no MMA. Esse tipo de coisa pode destruir o esporte para sempre.

Para Ronda, a brasileira não merece dividir o octógono com a americana em uma disputa de cinturão do UFC.

— Se você me perguntar se eu acho que um grande evento em pay-per-view vale ter a presença de alguém como ela, em um esporte pelo qual eu lutei tanto, a minha resposta é não. Não acho que valha. Se a colocarem na minha frente, eu acabo com ela. Mas ela merece estar na minha frente? Na minha opinião, não.

Cris Cyborg não gosta de levar desaforo para casa, ainda mais se esses vieram de sua grande rival Ronda Rousey. Em visita ao Brasil, a americana cutucou a brasileira, acusando-a de ter envergonhada o seu País ao pedir para ser liberada do UFC quando a organização anunciou que ia realizar testes de antidoping até em atletas que estivessem fora de competição.

— Foi ela que, 24 horas depois de o UFC anunciar que os atletas seriam testados fora de competição, pediu para ser liberada. Eu não saí daqui, foi ela quem fugiu. . Eu estou ficando melhor a cada dia. Ela tem feito tanto contra o esporte, enquanto eu tenho feito tanto para ajudar a construí-lo. Ela envergonhou não só a ela própria, mas seu país. É uma péssima representante. Mal posso esperar para dar a ela o que merece.

“Essa mulher só fala besteira”, foi o que prontamente respondeu Cris Cyborg através de sua assessoria de imprensa. Segundo a campeã do Invicta FC, a rival tem recalque de seu sucesso.

— Sério que ela disse isso? Talvez quando ela pensou em lutar MMA, estava assistindo uma das minhas lutas. Engraçado, ela diz que desonrei tanto o esporte e o meu país, que todos querem vê-la lutar comigo. Isso deve desapontá-la um pouco, até entendo.

A brasileira considera o seu sucesso fora do poderoso UFC como prova de que é merecedora de grande atenção.  

— Se você parar para pensar dá para contar nos dedos quais os atletas que nunca estiveram no UFC e são conhecidos mundialmente. Fico muito feliz e tenho orgulho de saber que nunca precisei de evento para me promover, e também nunca precisei caluniar ninguém. Sou conhecida mundialmente pelo o meu esforço e esforço da minha equipe, a Chute Boxe.

O narrador do UFC Joe Rogan causou polêmica em recente entrevista ao site MMA Fighting quando alimentou os rumores sobre um anúncio bombástico de uma luta feminina no evento. No entanto, esse anúncio vem à tona justamente na época em que a brasileira Cris Cyborg aceitou descer de categoria para desafiar Ronda Rousey, confronto que ganha cada vez mais força entre os fãs.

— Gostaria de poder dizer o que eu sei. Sei de algumas coisas em segredo, mas não posso comentar. Não posso dizer mais nada do que eu já disse. Na próxima semana, provavelmente, será feito um anúncio enorme sobre uma luta entre mulheres. Vai ser insano…

Palavras Chave

Portal Correio

Comentários

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será revelado.

publicidade
© Copyright 2021. Portal Correio. Todos os direitos reservados.