Ruy Carneiro preside comitê que fiscaliza obras inacabadas no Brasil

Foto: Divulgação

O deputado federal Ruy Carneiro, coordenador do Comitê de Avaliação das Informações sobre Obras e Serviços com indícios de Irregularidades Graves (COI), realizou uma reunião, nesta quarta-feira (10), com representantes do Tribunal de Contas da União (TCU), Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR) e da Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU). O objetivo é identificar irregularidades em obras inacabadas nos Estados brasileiros visando combater à corrupção. 

Ruy destacou a importância do comitê para combater a corrupção no Brasil . “Essa reunião é muito importante. O TCU aponta obras pelo país que estão com problema de sobrepreço, execução ou alguma outra irregularidade. Nós ouvimos as considerações do TCU e do órgão executor para que a partir daí seja decidido se a obra volta a receber recurso da União ou não. Isso ajuda no combate de desvio do recurso público”, destacou. 

O COI faz parte da Comissão Mista de Orçamento, que analisa obras que estão paradas por todo Brasil. Na Paraíba, por exemplo, foram apresentadas irregularidades, com a Adutora de Piancó que motivou a paralisação da obra. 

“A construção da Adutora de Piancó foi pensada para levar água da Barragem de Coremas para abastecer a população da cidade de Piancó, que sofre com a escassez de água. No entanto, foi apresentada pelo Tribunal de Contas da União uma série de problemas graves, que motivou a paralisação da obra. Estamos analisando inúmeras obras nos Estados brasileiros e cabe a nós verificar se esses problemas estão sendo sanados, porque, se não estão, não podemos permitir que dinheiro público seja destinado para obras com problema. O COI foi criado justamente para coibir casos de irregularidades com verbas públicas, como aconteceu há anos no Rio de Janeiro, em que a obra do TRT estava sendo executada e ano após ano continuava recebendo recursos Federais e a obra tinha vários escândalos de execução.” disse Ruy.

publicidade
© Copyright 2021. Portal Correio. Todos os direitos reservados.