|
Segunda-feira, 11 março 2019
- Advertisement -
- Advertisement -
Início Tags Coro Sinfônico

Mais artigos sobre

Coro Sinfônico

- Advertisement -

Notícias mais lidas

video

Mike Deodato fala sobre saída da Marvel e novo projeto

Um casamento de mais de duas décadas vai chegando ao fim. Após 24 anos, o desenhista paraibano Mike Deodato Jr. se despede da Marvel. A data para a separação será o dia 14 de junho deste ano. Porém, diferente de outros rompimentos, esse não foi traumático. Foi algo pensado, discutido e acordado. A ideia partiu do próprio Mike, que sentia a necessidade de voar por outros ares. E o artista já tem um novo parceiro. Trata-se do roteirista canadense Jeff Lemire. A união, inclusive, já gerou um novo filho. Trata-se de Berserker Unbound, que será lançado em agosto nos Estados Unidos. Mike recebeu a reportagem do CORREIO em casa e bateu um papo sobre a carreira, a decisão de deixar uma das editoras de quadrinhos mais importantes do planeta, a relação com o pai, o também desenhista Deodato Borges, e também o que espera da nova empreitada. Segundo Mike, apesar de ter sido algo pensado, a saída da Marvel, também conhecida como ‘Casa das Ideias’, é algo que o deixa um pouco triste. “Eu fiz muita amizade lá dentro. Tive muita oferta para sair de lá, mas eu quis continuar porque eu me sentia bem. Só que é um negocio que eu preciso fazer. É um negocio que não dá para você segurar. É ruim, mas estou bem animado, pilhado”, disse.

Presente de despedida

Prestes a completar 56 anos, Mike afirmou que a decisão foi tomada e comunicada ainda no ano passado. Ele disse que se antecipou à proposta de renovação de contrato e avisou à editora que a saída já era algo que estava certo em mente. A forma como foi tratada a questão foi muito bem recebida pela Marvel, que decidiu presentea-lo em seu último trabalho nessa passagem por lá. “Eu estou trabalhando em Savage Avengers, que terá o primeiro número em maio. Eu já estou terminando o número 3. Vai ser meu último trabalho com a Marvel e foi um presente que eles me deram", explicou. Segundo Mike, os editores perguntaram o que ele queria fazer. A ideia inicial era fazer Conan, mas por questões de logística, ele acabou sendo agraciado com outro projeto. "As equipes já estavam formadas. Aí eu falei para eles: 'Já que Conan eu não posso fazer, poderia fazer...', aí saí dizendo os personagens”, disse o desenhista. E por não poder fazer Conan, veio o Savage Avengers — equipe que vai incluir justamente Conan. “Então eles criaram essa revista exatamente para mim, que tem Conan, Justiceiro, Elektra... Todos os personagens que eu tinha citado, eles colocaram lá dentro. É uma chance de eu me despedir desses personagens. Alguns já faz tempo que eu não desenho, então vou revisita-los agora com meu novo traço. É meio que uma despedida. Achei bem legal”.

‘Eu quis fazer um bárbaro’

Com a saída agendada, Mike já tem outro projeto pronto para ser publicado em agosto. Trata-se do título Berserker Unbound, com roteiro de Jeff Lemire. A obra trata de um bárbaro que após se ferir gravemente em uma batalha em seu mundo, encontra um portal e termina vindo para a nossa dimensão. Aqui, ele encontra um morador de rua e começam uma amizade, que será o fio condutor para a história. Mike prometeu batalhas jamais vistas nos quadrinhos, atreladas a um roteiro cativante do parceiro. No Brasil, o trabalho só deverá ser publicado no início de 2020, pela Editora Mino. “De Lemire já sabe o que pode esperar. Com personagens humanos, o pessoal vai se cativar com ele, vai se apaixonar. De mim, é porrada (risos). Como é meu, eu não me preocupo com nada. As cenas de batalhas são o que eu imaginava. Um cara contra um exército de outros bárbaros e ele lá no meio. Eu duvido que vocês vejam em algum outro lugar uma cena de batalha tão danada, para não dizer outra coisa (risos)”, falou. O trabalho terá ainda a colaboração de Frank Martin, colorista que trabalhou com Mike na Marvel. Segundo o paraibano, a sua única participação no roteiro foi dizer que queria que a história se passasse com um bárbaro. “Para poder transformar essa leseira de briga, de bárbaro, entra Jeff [Lemire], que ele se pegar uma bula de remédio consegue transformar em algo chocante. Então ele pegou essa minha vontade de fazer bárbaro e transformou em um negócio mais voltado para amizade, conexões. O roteiro é dele, eu só disse que queria um bárbaro”, explicou. Mike adiantou ainda que já tem outros projetos em mente, inclusive possíveis continuações do Berserker. Porém, ele não pode divulgar detalhes. “Berserker vai ser bom demais, vocês vão ver. Mas não para por aí não, já tenho outros projetos que não posso falar, mas já estão engatilhados assim que eu tiver dedicação total”.

Filho do Flama

O ditado costuma dizer que “filho de peixe, peixinho é”. E parece que Mike Deodato Jr. levou à risca. Filho de Deodato Borges, criador da radionovela e revista em quadrinhos 'As Aventuras do Flama', Mike leva na carreira a influência do pai. Deodato morreu em agosto de 2014 e até hoje Mike se emociona ao falar dele. “[Ele] Entra em tudo. Eu decidi ser desenhista vendo ele ser. Desenhando em casa, lendo ‘As aventuras do Flama’, ouvindo o programa com ele interpretando. A decisão de eu gostar de quadrinhos também foi influência dele, porque além dele ler, ele comprava muito. Painho foi tudo e eu agora consegui falar sem chorar. Até hoje é difícil. Mas hoje eu passei no teste”, finalizou.
operacao-da-pf-prende-suspeitos-de-fraudar-previdencia-social

Enquete: 57% não conhecem mudanças da Reforma da Previdência

O presidente Jair Bolsonaro entregou na última semana a proposta de reforma da Previdência na Câmara dos Deputados. O texto provocou diferentes opiniões. Mas será que a população está sabendo de fato quais serão as mudanças? Pensando nisso, o Portal Correio decidiu fazer uma enquete e perguntar se o conteúdo da proposta é conhecido pelas pessoas. A maioria (57% dos votos) afirmou não saber. O número corresponde a 328 dos 576 votos. Já 248 internautas (43%), afirmaram ter conhecimento sobre o conteúdo da reforma. O texto elaborado pelo governo propõe idade mínima para aposentadoria para homens (65 anos) e mulheres (62 anos), além de um período de transição. Inicialmente, a proposta será submetida à análise na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara, e depois será discutida e votada em uma comissão especial da Casa, antes de seguir para o plenário. No plenário, a aprovação do texto depende de dois dois turnos de votação com, no mínimo, três quintos dos deputados (308 votos) de votos favoráveis.Em seguida, a proposta vai para o Senado cuja tramitação também envolve discussão e votações em comissões para depois, ir a plenário.

Veja o que propõe a reforma da Previdência:

Idade mínima

O texto propõe idade mínima de 62 anos para mulheres e 65 anos para homens, com contribuição mínima de 20 anos.  Atualmente, aposentadoria por idade é 60 anos para mulheres e 65 anos para os homens, com contribuição mínima de 15 anos. A idade mínima para a aposentadoria poderá subir em 2024 e depois disso, a cada quatro anos, de acordo com a expectativa de vida dos brasileiros. Nessa proposta, não haverá mais aposentadoria por tempo de contribuição.

Contribuição

Os trabalhadores da iniciativa pública e privada passarão a pagar alíquotas progressivas para contribuir com a Previdência. E quem ganha mais, contribuirá mais. As alíquotas deixarão de incidir sobre o salário inteiro e incidirão sobre faixas de renda, num modelo semelhante ao adotado na cobrança do Imposto de Renda. No fim das contas, cada trabalhador, tanto do setor público como do privado, pagará uma alíquota efetiva única. Pela nova proposta, quem ganha um salário mínimo (R$ 998) contribuirá com 7,5% para a Previdência. Acima disso, contribui com 7,5% sobre R$ 998, com 9% sobre o que estiver entre R$ 998,01 e R$ 2 mil, com 12% sobre a renda entre R$ 2.000,01 a R$ 3 mil e com 14% sobre a renda entre R$ 3.000,01 e R$ 5.839,45 (teto do INSS). Dessa forma, um trabalhador que receber o teto do INSS contribuirá com alíquota efetiva (final) de 11,68%. De acordo com a Secretaria Especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia, as alíquotas efetivas ficarão em 7,5% para quem recebe o salário mínimo, de 7,5% a 8,25% para quem ganha de R$ 998,01 a R$ 2 mil, de 8,25% a 9,5% para quem ganha de R$ 2.000,01 a R$ 3 mil e de 9,5% a 11,68% para quem recebe de R$ 3.000,01 a R$ 5.839,45 (teto do INSS). No setor público será aplicada lógica semelhante. Pelas novas regras, o sistema de alíquotas progressivas será aplicado, resultando numa alíquota efetiva (final) que variará de 7,5% para o servidor que recebe salário mínimo a 16,79% para quem recebe mais de R$ 39 mil.

Regras de transição

O tempo de transição do atual sistema de Previdência para o novo será de 12 anos. A regra de transição para a aposentadoria prevê três opções: 1) A soma do tempo de contribuição com a idade passa a ser a regra de acesso. O tempo de contribuição é 35 anos para homens e 30 para mulheres. Em 2019, essa soma terá que ser 96 pontos para homens e 86 anos para mulheres. A cada ano, será necessário mais um ponto nessa soma, chegando a 105 pontos para homens e 95 para mulheres, em 2028. A partir deste ano, a soma de pontos para os homens é mantida em 105. No caso das mulheres, a soma sobe um ponto até atingir o máximo, que é 100, em 2033. 2) A outra opção é a aposentadoria por tempo de contribuição (35 anos para homens e 30 anos para mulheres), desde que tenham a idade mínima de 61 anos (homens) e 56 anos (mulheres), em 2019. A idade mínima vai subindo seis meses a cada ano. Assim, em 2031 a idade mínima será 65 anos para homens e 62 para mulheres. Os professores terão redução de cinco anos na idade. 3) Quem está a dois anos de cumprir o tempo de contribuição para a aposentadoria – 30 anos, no caso das mulheres, e 35 anos, no de homens – poderá optar pela aposentadoria sem idade mínima, aplicando o fator previdenciário, após cumprir o pedágio de 50% sobre o tempo restante. Por exemplo, uma mulher com 29 anos de contribuição poderá se aposentar pelo fator previdenciário se contribuir mais um ano e meio.

Aposentadoria rural

Também houve mudança na aposentadoria rural: 60 anos tanto para homens quanto para mulheres, com contribuição de 20 anos. A regra atual é 55 anos para mulheres e 60 anos para os homens, com tempo mínimo de atividade rural de 15 anos. No caso da contribuição sobre a comercialização, a alíquota permanece em 1,7% e é necessária a contribuição mínima de R$ 600 por ano para o pequeno produtor e sua família. Para se aposentar, nessa categoria, serão necessários 20 anos de contribuição.

Aposentadoria por incapacidade

Rebatizada de aposentadoria por incapacidade permanente, a aposentadoria por invalidez obedecerá a novos cálculos. Pelo texto, somente receberão 100% da média dos salários de contribuição os beneficiários cuja incapacidade estiver relacionada ao exercício profissional. A proposta prevê o pagamento de 100% do benefício somente para os casos de acidente de trabalho, doenças relacionadas à atividade profissional ou doenças comprovadamente adquiridas no emprego, mesmo sem estarem relacionadas à atividade. Caso a invalidez não tenha relação com o trabalho, o beneficiário receberá somente 60% do valor. Hoje, todos os aposentados por invalidez recebem 100% da média de contribuições.

Aposentadoria para parlamentar

Os futuros parlamentares – em nível federal, estadual e municipal – passarão para o INSS caso a reforma da Previdência seja aprovada. Haverá uma regra de transição para os parlamentares atuais. Pela proposta, os futuros parlamentares poderão se aposentar com idade mínima de 65 anos para homens e 62 anos para mulheres, com teto de R$ 5.839,45. Os parlamentares atuais passarão por uma regra de transição, sujeitos a pagar um pedágio (trabalhar mais) de 30% do tempo que falta para atingir os 35 anos de contribuição. Atualmente, os deputados federais e senadores aposentam-se com 60 anos de idade mínima (homens e mulheres) e 35 anos de contribuição. Eles recebem 1/35 do salário para cada ano como parlamentar, sem limitação de teto.

Pensões

O cálculo das pensões por morte será relacionado ao número de dependentes, sistema que vigorou até a década de 1980. Inicialmente, o beneficiário com até um dependente receberá 60% da média de contribuições. O valor sobe em 10 pontos percentuais a cada dependente, atingindo 100% para quem tiver cinco ou mais dependentes. Atualmente, o pagamento de pensões obedece a cálculos diferentes para trabalhadores do INSS (iniciativa privada) e servidores públicos.

Benefício de Prestação Continuada (BPC)

Pela proposta, a partir dos 60 anos, os idosos receberão R$ 400 de BPC. A partir de 70 anos, o valor sobe para um salário mínimo. Atualmente, o BPC é pago para pessoas com deficiência, sem limite de idade, e idosos, a partir de 65 anos, no valor de um salário mínimo. O benefício é concedido a quem é considerado em condição de miserabilidade, com renda mensal per capita inferior a um quarto do salário mínimo.

Policiais e agentes penitenciários

Os policiais civis, federais, agentes penitenciários e socioeducativos se aposentarão aos 55 anos. A idade valerá tanto para homens como para mulheres. Os tempos de contribuição serão diferenciados para homens e mulheres. Os agentes e policiais masculinos precisarão ter 30 anos de contribuição, contra 25 anos para as mulheres. A proposta também prevê tempo mínimo de serviço de 20 anos para policiais homens e agentes homens e 15 anos para policiais e agentes mulheres. Progressivamente, o tempo de exercício progredirá para 25 anos para homens e 20 anos para mulheres nos dois cargos (agente e policiais). As duas categorias não estão submetidas a aposentadorias especiais. A proposta não contempla os policiais militares e bombeiros.

Militares

O governo quer aumentar o tempo de contribuição dos militares de 30 para 35 anos. O projeto de lei específico para o regime das Forças Armadas será enviado aos parlamentares em até 30 dias. A proposta também englobará a Previdência de policiais militares e de bombeiros, atualmente submetidos a regras especiais dos estados. O secretário especial de Previdência e Trabalho, Rogério Marinho, informou que o governo pretende aumentar a alíquota única dos militares de 7,5% para 10,5%.

Regime de capitalização

Os trabalhadores que ingressarem no mercado de trabalho após a aprovação da reforma da Previdência poderão aderir a um regime de capitalização. O trabalhador poderá escolher livremente a entidade de previdência, pública ou privada, e a modalidade de gestão de reservas, com possibilidade de portabilidade.

Saiba mais

https://youtu.be/nkC_-x5vbB4

Idoso desaparecido é resgatado e reencontra família

Um aposentado de 78 anos que estava desaparecido desde a terça-feira de carnaval (5) foi resgatado por agentes da Polícia Rodoviária Federal (PRF), na manhã deste domingo (10), em Mamanguape, Litoral Norte do estado. Ele estava deitado próximo à faixa de rolamento do quilômetro 47 da BR-101, correndo risco de ser atropelado. A PRF foi informada por telefone sobre a presença do idoso na rodovia e foi até o local. O idoso repassou algumas informações que auxiliaram a equipe a localizar a família. Ele disse o nome de uma filha e de uma neta. Lembrou também que recebia sua aposentadoria em Bayeux. Com ajuda da Polícia Militar, parentes do idoso foram encontrados. Identificado como José Firmino, o idoso já está sob proteção da família. Final feliz para um caso que poderia ter acabado em tragédia. Um vídeo gravado por agentes da PRF mostra o reencontro do aposentado com os filhos, nora e um amigo da família. Assista: [playlist type="video" tracklist="false" images="false" ids="135200"] A PRF orienta aos motoristas que ao visualizarem cenas de pessoas em situações de risco nas rodovias federais que entrem em contato atrás do telefone de emergência 191 para que outros finais felizes possam ocorrer. 
video

Chupeta é vilã ou mocinha para crianças? Especialista explica

Um hábito comum entre os pais é dar chupeta para as crianças. Mas será que o objeto é benéfico ou prejudicial à criança? O programa Mulher D+, da TV Correio, conversou com a odontopediatra Ana Valeska para saber até que ponto o uso da chupeta pode prejudicar a dentição da criança. Confira no vídeo acima.
- Advertisement -