|
Quinta-feira, 18 Outubro 2018
- Advertisement -
- Advertisement -
Início Tags Dependência

Mais artigos sobre

Dependência

- Advertisement -

Notícias mais lidas

Empréstimo consignadovideo

Entenda como funciona garantia do FGTS para empréstimo

Os trabalhadores do setor privado podem contar com uma nova opção de crédito, o empréstimo consignado com uso do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) como garantia. Por enquanto, apenas a Caixa Econômica Federal oferece a linha de crédito, segundo informou o Ministério do Trabalho. Entenda como funciona na reportagem da TV Correio acima. Leia também: Novo empréstimo com garantia do FGTS já está disponível A nova linha de crédito estará disponível para 36,9 milhões de trabalhadores com carteira assinada. Os juros não poderão ultrapassar 3,5% ao mês, percentual até 50% menor do que o de outras operações de crédito disponíveis no mercado, informou o ministério. O prazo de pagamento será de até 48 meses (quatro anos).

Juros do empréstimo consignado são mais baixos

O uso do FGTS como garantia para o crédito consignado proporciona juros mais baixos para os tomadores porque os recursos da conta do trabalhador no fundo cobrirão eventuais calotes, o que reduz o risco para os bancos e permite à Caixa oferecer empréstimos com taxas menores.
video

Wallber Virgolino foca na segurança pública e apoia Bolsonaro

Segundo deputado estadual mais votado da Paraíba, Wallber Virgolino (Patriotas) declarou ao Portal Correio, nesta terça-feira (16), apoio ao presidenciável Jair Bolsonaro (PSL) e disse que vai priorizar a segurança pública em seu mandato. O delegado foi eleito com cerca de 48 mil votos no último dia 7 de outubro. Assista ao vídeo acima. "Votei no primeiro e vou votar no segundo. Ele tem muitos defeitos, mas o Brasil precisa de saúde, segurança e, principalmente, moralidade. Ele representa isso. O PT teve a chance dele. A gente precisa mudar. Mas quem vai fazer isso e tem que decidir é o povo. Se não der certo vai tirando. Se eu não der certo, tem que tirar também", declarou o delegado sobre o presidenciável Bolsonaro. Em entrevista ao programa Correio Debate, na rádio 98 FM, Wallber falou sobre a campanha, a oposição e outros temas. Confira abaixo.

Campanha

"Foi difícil. Foi uma campanha desacreditada. Não por mim, mas pelos políticos. Nós tivemos estratégias, traçadas desde um ano antes. A campanha ocorreu dentro do esperado, nós cumprimos etapas. Os políticos não acreditaram em mim e isso facilitou o meu trabalho, porque me esqueceram e não monitoraram o que eu fiz. Eu escutava que a polícia não ia se unir, mas tanto a PM quanto a civil se uniram e se focou. Os agentes, os vigilantes e toda a classe da segurança entenderam a importância de um representante lá dentro. Contei com o apoio do pessoal da vaquejada também, e os votos se multiplicaram".

Custo

"Eu não gastei nem R$ 100 mil. E só gastei isso porque tudo tem custo. Se você for orçar material de mídia, gasolina para percorrer o estado, alimentação... A gente vai prestar contas ainda, mas praticamente não gastei nada. O povo entendeu a mensagem, a segurança se uniu e a minha campanha foi limpa".

Oposição (Governo)

"Eu ganhei o mandato porque tenho uma postura firme e independente. Se eles serem harmônicos, vamos manter uma relação harmônica. Governador não manda em deputado. Tem que ter independência. E vou permanecer íntegro, lutando pelo que acredito ser melhor para os paraibanos. Não tenho problema em manter contato com João Azevêdo. Eu não sou uma oposição raivosa. Vou respeitar, mas espero que respeitem a minha independência. Essa é a palavra-chave. Se for pra conversar eu vou toda hora. Estamos aí pra contribuir para a sociedade. Essa conversa não quer dizer que estou do lado de um ou de outro. É com o diálogo que se chega ao denominador comum, não só a segurança".

Segurança Pública

"João Azevêdo, assim que assumir, tem que trocar a cúpula da segurança publica. A principal decadência do governo de Ricardo foi a segurança, porque nunca foi uma equipe profissional. Quem ocupa os cargos é amigo do governo. Esqueceram o 'combate ao crime' para amansar e agradar aos amigos. Tem que aumentar o salário da polícia. A autoestima dos policiais estão lá embaixo. Se não mandarmos uma mensagem positiva assim que assumirmos o mandato, eles vão continuar sem motivação. Como eu disse, o estado não está combatendo o crime, não faz frente ao crime organizado", opinou o delegado. Wallber continuou. "Não há profissionalismo, não são gestores, mas agrado político. E enquanto eles brigam, enquanto eles estão preocupados em se agradar, os criminosos crescem. Nós estamos regredindo. Eu só vejo piora. A Secretaria de Segurança vai esperar os bandidos estourarem todos os bancos do estado pra fazer algo? O clima na política hoje é de revanche. Há briga dentro das delegacias, dentro dos batalhões, porque dentro deles existe a polícia do governo e a polícia que não é do governo. Quem gosta de Ricardo fica, quem não gosta é demitido. Isso não pode ficar assim. João vai ter que rever tudo isso".

Delegacias sem comunicação

"Não tem comunicação. A prova disso tudo é o estouro a banco. Estoura em Sapé, em Mari, e não chega a informação. Não é uma gestão profissional, é uma gestão pra dar satisfação a sociedade. Como faz segurança pública sem mudança? Tem que ter seriedade, trabalhar e valorizar os policiais".

Invasão no PB1

"Volto mais uma vez a falta de estratégia da polícia. Não se combate o crime com viatura bonita na rua, mas com inteligência. A falha não foi só da segurança pública, mas da secretaria, do Ministério Federal... O ataque é sinal de que os presídios não estão sendo monitorados. O problema é que o governo foca em prender político, porque isso dá mais ibope do que prender criminoso. Os bandidos passaram cerca de 40 minutos na ação, fizeram tudo aquilo e ninguém impediu a ação. Ninguém reagiu. Falta um trabalho de inteligência".

Presidente da Assembleia Legislativa

"Tem que escolher um presidente que tenha postura, que garanta a independência da Assembleia, principalmente que priorize primeiro lá, depois o governo. O presidente precisa ter um lado, mas precisa dar garantia de que o governador não vai mandar. Eu já conversei com Adriano Galdino, Ricardo Barbosa, Edmilson, Tião, Genival… Eu não exigi nada, eu apenas escutei todos eles. Não acertei nada. Escutei propostas e estou estudando".
Julian Lemosvideo

Julian Lemos fala como será sua atuação na Câmara

O deputado federal eleito, Julian Lemos (PSL), disse, nesta segunda-feira (15), que não fará uma oposição radical ao governador eleito João Azevêdo (PSB). Segundo Julian, o que for viável para o estado terá o seu apoio. Confira vídeo acima. Julian, que foi eleito com 71.899 votos, garantiu que não fará oposição a governo, e sim ao que eventualmente estiver acontecendo de errado. "Farei oposição a qualquer tipo de corrupção, a quem persegue policial, enfim, o que for viável para a Paraíba contará com o meu apoio", disse.    
video

PP poderá liderar oposição na Paraíba, diz Aguinaldo

O Progressistas (PP) poderá ser o novo fôlego da oposição ao projeto do PSB no Estado. Essa é a avaliação do deputado federal reeleito pelo PP, Aguinaldo Ribeiro, ao ser questionado sobre qual será o papel do PP na oposição estadual após os fracassos dos principais lideres até o momento, o senador José Maranhão (MDB), que ficou em terceiro lugar na disputa para o Governo do Estado, e o senador Cássio Cunha Lima, que não se reelegeu. Para Aguinaldo, a reeleição vai possibilitar que ele continue lutando no Congresso para trazer mais recursos ao estado. “Primeiro, continuar defendendo a Paraíba como nós temos defendido, trazendo recursos para os nossos municípios e para o estado, nas ações prioritárias de saúde e saneamento básico, moradia, infraestrutura, mobilidade urbana, que é isso que nós temos feito. Mas, também, uma defesa muito forte da família brasileira e da família paraibana, que nós vamos realçar muito nessa nova legislatura. Vamos dar o máximo para contribuir com a Paraíba”, disse Aguinaldo. Questionado sobre o papel do PP na oposição ao projeto do PSB no governo, Aguinaldo afirmou que o partido tem a responsabilidade de chegar à liderança, vide o fracasso deste ano. “O PP sai muito fortalecido. O PP elegeu a primeira senadora do estado da Paraíba com uma votação expressiva. Tivemos uma ampla votação para deputado federal referendada pela Paraíba. Elegemos dois deputados estaduais e temos um cenário que sinaliza para que nós possamos ter a responsabilidade com o nosso estado e o designo que o povo da Paraíba escolheu, que foi dentro da oposição. Toda oposição tem um papel importante” disse o deputado.
- Advertisement -