Início Geral

Temer tem segundo dia de reunião com equipe econômica e parlamentares

O presidente Michel Terminou reuniu-se nesta quinta-feira (10), pelo segundo dia, com ministros da área econômica e parlamentares, no Palácio do Planalto. Apesar da expectativa em torno de uma possível revisão da meta fiscal, não foi feito nenhum anúncio. Comente no fim da matéria.

Leia mais notícias de Política no Portal Correio

Por meio de nota conjunta, os Ministérios da Fazenda e do Planejamento informaram que o encontro teve como objetivo discutir a situação fiscal do país. As duas pastas confirmaram que a reunião será retomada na segunda-feira (14) e que qualquer decisão referente à meta fiscal será comunicada imediatamente. Meirelles e Dyogo também participaram da cerimônia de mudança da distribuição dos lucros do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço, mas saíram sem falar com a imprensa.

Estiveram na reunião de hoje os presidentes do Senado, Eunício Oliveira; da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, e líderes da base aliada do governo. E os ministros Henrique Meirelles, da Fazenda; Dyogo Oliveira, do Planejamento; Eliseu Padilha, da Casa Civil; Moreira Franco, da Secretaria-Geral da Presidência e Antônio Imbassahy, da Secretaria de Governo.

Recentemente, o governo contabilizou várias perdas de receitas que seriam importantes para garantir o cumprimento da meta original de déficit primário de R$ 139 bilhões. Primeiramente, o Tribunal de Contas da União (TCU) mandou a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) refazer o edital do leilão de renovação de concessão de usinas hidrelétricas da Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig) que renderiam R$ 11 bilhões aos cofres federais este ano.

Já a segunda versão do programa de regularização de ativos no exterior, conhecida como repatriação, arrecadou apenas R$ 1,61 bilhão, contra os R$ 13 bilhões inicialmente previstos. As mudanças na medida provisória que criou a renegociação especial de dívidas com a União também pode diminuir a previsão de arrecadação, caso o governo não consiga inverter as alterações.

Por fim, o governo teve que recuar de duas medidas que elevariam as receitas. O aumento do Programa de Integração Social e da Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social sobre o etanol foi parcialmente revertido, reduzindo a previsão de arrecadação em R$ 550 milhões. Nessa quarta-feira (9), o governo revogou a medida provisória que acabaria com a desoneração da folha de pagamento para a maioria dos setores beneficiados pela política.

Leia mais notícias em portalcorreio.com.br, siga nossas
páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram e veja nossos vídeos no
Youtube. Você também
pode enviar informações à Redação
do Portal Correio pelo WhatsApp (83) 9 9130-5078.

Palavras Chave

Portal Correio

Comentários

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será revelado.

publicidade
© Copyright 2021. Portal Correio. Todos os direitos reservados.