Time de Ronaldinho no M?xico tem passado ligado ao narcotr?fico

21
COMPARTILHE

O Querétaro ganhou as páginas dos jornais em 2014 pela contratação de Ronaldinho Gaúcho. Mas o que poucos sabem é que o clube da Segunda Divisão mexicana tem um passado muito mais ligado às manchetes, não as de futebol, mas as policiais.

Leia mais notícias de Esportes no Portal Correio

No começo dos anos 2000, o time que hoje paga os altíssimos salários do R10 ficou marcado pela ligação com narcotráfico e lavagem de dinheiro. O mexicano Ignácio Suárez, um dos principais jornalistas que cobrem a corrupção no esporte do país, escreveu sobre o caso no próprio blog, o Deportilitika. No texto ele explica que a ligação do Querétaro com o tráfico era feita por meio de Joseph Tirso Martínez Sánchez, mais conhecido pelo apelido de El Tio.

Suárez conta que, entre 2000 e 2004, El Tio era o proprietário “não visível” de três times: o Quaretáro, o Atlético Celaya e o Irapuato. Escondido atrás de dirigentes “pagos por maletas de dinheiro em jantares”, El Tio transferia jogadores colombianos para as três equipes e lavava o dinheiro do tráfico com as negociações.

Ainda de acordo com o texto do jornalista, jogadores chegaram a admitir em off que recebiam o salário em envelopes cheios de dólares. No momento de receber, até guarda-costas armados  acompanhavam os dirigentes dos clubes. O governo dos EUA chegou a oferecer 5 milhões de dólares por El Tio, que acabou preso em 2014 em Léon, no México.

A DEA (Departamento dos EUA na luta contra o narcotráfico) estimou que o traficante, hoje na prisão de segurança máxima de Altiplano, tenha lavado  mais de 10 milhões de dólares entre 2003 e 2006. Enquanto El Tio se escondia da polícia, foi o Querétaro quem acabou pagando pelo crime, já que o time foi expulso da Liga Mexicana em 2004 e teve que passar por grandes mudanças.

Em respeito à Legislação Eleitoral, o Portal Correio não publicará os comentários dos leitores. O espaço para a interação com o público voltará a ser aberto logo que as eleições de 2018 se encerrem.

Notícias mais lidas