Início Geral

Tiririca

Em uma entrevista coletiva, um jornalista tentou curtir com Tiririca e passou vergonha. Perguntou se Tiririca tinha sido eleito por um milhão de nordestinos. Tiririca respondeu que não. “Fui eleito por um milhão de abestado”. O jornalista, não satisfeito, perguntou porque Tiririca não se candidatou no Nordeste. Ele responde: “No meu Nordeste não tem abestado”.

O humorista, cantor e palhaço conseguiu a façanha da reeleição para a Câmara Federal dentro de São Paulo. Foi o segundo mais votado. A despeito disso, não foi poupado da onda de preconceito que atinge os nordestinos nesta reta final da campanha eleitoral.

O episódio ilustra, de forma exemplar, como o restante do Brasil ainda enxerga esta parte de cá deste País continental.

E não é uma visão pitoresca.

As redes sociais foram inundadas nas últimas semanas por esta onda preconceituosa, movida pelo ódio e arrogância de brasileiros dispostos a instalar um apartheid regional – onde, obviamente, seriamos isolados na insignificância que eles juram nos pertencer.

Fomos tratados como burros, jumentos, ignorantes e toda uma sorte de ofensas impublicáveis.

E esse rancor regional não é pontual. Nem se esgota na sazonalidade eleitoral. Eu, por exemplo, sou vítima histórica desse preconceito. Em São Paulo, mesmo ostentando a condição de empresário, nunca deixei de ser tratado como um “Paraíba”.

Evidente que o momento eleitoral, com seu potencial catalisador de paixões, expõe sem reservas a extensão do preconceito que milhões de brasileiros nutrem em relação ao Nordeste.

Porém, insisto que as disputas políticas só escancaram o que está latente na alma nacional. E precisamos encarar este problema de frente.

Pois se há algo para o Brasil se orgulhar é da capacidade secular de nos mantermos unidos, falando um só idioma, respeitando nossas diferenças tão similares.

Enquanto ao redor do globo nações infinitamente menores são separadas por culturas, políticas, etnias, religiões e idiomas – que lhes impõem apartheids sociais quase intransponíveis, no Brasil prospera uma inusitada – por seu caráter mistifório – união.

Não podemos, portanto, permitir uma versão tropical da Secessão. Somar, como temos feito desde o nosso princípio republicano, sempre será a melhor operação matemática para o Brasil.

E o Nordeste, que vence o descaso institucional histórico e progride como nova fronteira de desenvolvimento, nunca somou tanto para o País.

Aliás, sempre somamos, mesmo quando as desigualdades eram maiores.

Foi no Nordeste que começou a história do País. Daqui expurgamos os holandeses e, por muitas vezes, fomos convocados para lutar pela manutenção da nação.

Construímos aqui as primeiras cidades do País (entre as quais João Pessoa) e parimos, para o País, homens e mulheres que fizeram diferença – na política, ciência, economia, literatura e artes.

Gente que nasceu em berço nordestino e escreveu com sangue, suor e sabedoria capítulos expressivos da história do País.

E se nada disse vale para conter o ódio irracional contra os nordestinos, volto a cena com a astúcia do palhaço, que testemunhando do seu picadeiro tanto pavor, voltou a carga:

“Eu fui um dos mais votados dentro de São Paulo e eles estão chamando os nordestinos de burros. São uns abestado mesmo!”.

Palavras Chave

Portal Correio

Comentários

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será revelado.

publicidade
© Copyright 2021. Portal Correio. Todos os direitos reservados.