Universidades da PB teriam deixado de investir R$ 156 mi em 2014; reitores negam

13
COMPARTILHE

Levantamento realizado por um professor da Universidade Federal da Paraíba, com dados do portal Siga Brasil (do Senado Federal), sobre a execução orçamentária, mostrou que as três instituições federais de ensino superior da Paraíba deixaram de investir mais de R$ 156 milhões em 2014. Do orçamento aprovado no início do ano, a Universidade Federal da Paraíba (UFPB) teve o menor percentual de execução (32,7%), segundo o professor Alexandre Nóbrega Duarte, do Centro de Informática da UFPB. Os reitores contestam os dados e dizem que a diferença entre o previsto e o investido aconteceu porque o Governo Federal deixou de liberar recursos.

Leia mais Notícias no Portal Correio

O orçamento das Ifes é dividido em três grupos: pessoal (salários e encargos sociais), investimentos e outras despesas. Segundo Alexandre Nóbrega, o orçamento para os grupos de pessoal e outras despesas é executado praticamente por completo, já que não depende da estrutura organizacional da instituição. Já a execução das despesas com investimentos em infraestrutura e equipamentos para a melhoria do ensino, estão sujeitas ao planejamento da administração de cada instituição. Entende-se por execução de despesa, o uso do dinheiro que estava disponível para ser gasto no ano.

Os R$ 156 milhões disponíveis que deixaram de ser gastos foi no grupo de investimentos. De acordo com o levantamento de Alexandre Nóbrega, o Governo tinha disponibilizado R$ 72,3 milhões para a UFPB, que só usou R$ 23,6 milhões, o equivalente a 32,7%. Para o Instituo Federal de Ciência e Tecnologia (IFPB) estavam disponíveis R$ 82,7 milhões e foram utilizados R$ 45,6 milhões (55,2%). Para a Universidade Federal de Campina Grande (UFCG), o orçamento disponível era de R$ 35,9 milhões e foram utilizados R$ 25 milhões (68.8%).

Leia matéria completa na edição desta sexta-feira (30) do jornal Correio da Paraíba. 

Em respeito à Legislação Eleitoral, o Portal Correio não publicará os comentários dos leitores. O espaço para a interação com o público voltará a ser aberto logo que as eleições de 2018 se encerrem.

Notícias mais lidas