Campina Grande (Foto: Jornal Correio da Paraíba)

Campina Grande busca ações paralelas contra a violência

Uma das alternativas é a proibição de multas para quem avançar o sinal vermelho e a outra é a proibição de pagamento de passagem de ônibus com dinheiro

1419
COMPARTILHE

A onda de assaltos a pedestres, estabelecimentos comerciais, ônibus e caixas eletrônicos vem fazendo com que órgãos públicos tomem medidas para coibir a ação dos bandidos. Uma das alternativas é a proibição de multas para quem avançar o sinal vermelho e a outra é a proibição de pagamento de passagem de ônibus com dinheiro.

O projeto que pede a proibição de multas por avanço ao sinal vermelho foi aprovado na Câmara Municipal de Campina Grande e garante aos condutores de veículos não serem multados caso ultrapassem o semáforo no vermelho ou excedam a velocidade nos radares eletrônicos após as 22h e até as 5h.

De acordo com Sargento Neto, vereador autor do projeto, a iniciativa tem por objetivo tentar garantir um pouco mais de segurança à população, principalmente por conta do aumento da criminalidade na cidade nesse horário. A matéria seguiu para a sanção do prefeito Romero Rodrigues (PSDB).

Outra medida definida para tentar diminuir crimes em Campina Grande é a decisão do Conselho Municipal de Transportes Públicos em proibir o pagamento de passagens de ônibus com dinheiro durante o período noturno a partir de 17 de janeiro.

A medida passou a ser analisada pela Curadoria do Consumidor do Ministério Público da Paraíba (MPPB), que deverá promover audiências públicas para debater o assunto.

Além disso, as escolas municipais poderão ter câmeras de monitoramento para auxiliar na segurança. O projeto de lei foi aprovado pela Câmara Municipal.

Cidade refém dos bandidos

Desde outubro, Campina Grande vem sendo vítima de uma onda de crimes violentos. Segundo a Câmara de Dirigentes Lojistas de Campina Grande (CDL-CG), a onda de arrombamentos e assaltos a estabelecimentos comerciais chegou a causar a demissão de 1,5 mil funcionários.

Em setembro, a sede da Prefeitura Municipal de Campina Grande (PMCG) também foi alvo dos bandidos. Na época, caixas eletrônicos foram alvos de criminosos, na madrugada do dia 5.

De acordo com a PM, assaltantes arrombaram as portas do prédio e estouraram dois caixas eletrônicos. Os bandidos teriam chegado ao local em um carro modelo Ecosport e também em várias motocicletas.

No dia 19 do mesmo mês, o prédio da Superintendência de Trânsito e Transportes Públicos (STTP) foi detonado por bandidos que explodiram o caixa eletrônico instalado no local.

Na terça-feira (10), uma loja de telefonia da Rua Maciel Pinheiro foi destruída por bandidos que invadiram o local com um carro. No sábado (23), outra loja foi arrombada no Centro da cidade.

Por causa do terror, o comércio de Campina Grande decidiu não estender o horário durante o mês de dezembro, para as vendas de fim de ano.

Suspeitos presos

No dia 11 deste mês, três suspeitos de envolvimento com roubos de veículos e arrombamentos a lojas foram detidos em uma ação realizada pelo 10º Batalhão, em Campina Grande.

Com eles, a PM recuperou uma moto e um carro roubados, várias peças de roupas infantis, cabides de lojas de vestuários e apreendeu um fuzil, um revólver, munições, sete caixas com grampos, celulares, uma ferramenta pé-de-cabra, um capuz, uma máscara de palhaço e uma peruca.

O trio foi levado para o Distrito Integrado de Segurança Pública do Parque do Povo, que vai investigar a participação dos três nos últimos roubos de veículos e arrombamento de lojas em Campina Grande.

A ação da polícia ocorreu como resposta aos constantes arrombamentos registrados recentemente em plena área central de Campina Grande, causando medo a população e comerciantes.

Em respeito à Legislação Eleitoral, o Portal Correio não publicará os comentários dos leitores. O espaço para a interação com o público voltará a ser aberto logo que as eleições de 2018 se encerrem.

Notícias mais lidas