Processo seletivo

Aniversário de João Pessoa

#SouRepórterCorreio

TV Correio

bando-que-explodiu-carro-forte-tinha-arma-usada-em-guerras-mundiais
Armamentos de grosso calibre foram apreendidos com os suspeitos (Foto: Divulgação)

Bando que explodiu carro-forte tinha arma usada em guerras mundiais

Entre as armas apreendidas após a prisão do grupo estava uma metralhadora calibre 50, considerada uma das mais poderosas armas de guerra fabricadas até hoje

870
COMPARTILHE

A quadrilha suspeita de explodir um carro-forte na manhã dessa segunda-feira (7), em Pedras de Fogo, tinha à sua disposição armamentos de grosso calibre. Segundo apuração do Jornal CORREIO, entre as armas apreendidas após a prisão do grupo estava uma metralhadora calibre 50.

O equipamento é considerado uma das mais poderosas armas fabricadas até hoje, tendo sido fundamental nas Guerras Mundiais. Nesses grandes conflitos históricos, a metralhadora calibre 50 foi usada na defesa antiaérea e também em ambientes terrestres e naval. A potência desse tipo de metralhadora permite que chapas de aço e blindagem de veículos sejam perfuradas.

Mesmo com tanto poder de fogo em mãos, os suspeitos acabaram se entregando à polícia após negociação com equipes do Batalhão de Operações Especiais (Bope). Eram cerca de 28 policiais contra apenas quatro suspeitos. A casa em que o bando estava escondido teve partes parcialmente destruídas pelos tiros disparados pela polícia.

Para evitar novos confrontos, os policiais do Bope ordenaram que os bandidos saíssem e se entregassem. Para isso, os homens exigiram a presença de dois advogados e da mulher de um deles, que estava em um local próximo. O pedido foi atendido e, após a rendição, os policiais fizeram uma varredura na casa, encontrando os armamentos pesados e muita munição.

Após a prisão, os suspeitos foram levadas para a sede do Grupo de Operações Especiais (GOE), onde seguiam até a publicação desta matéria. À tarde, eles serão levados para a Central de Polícia Civil, que os encaminhará à audiência de custódia.

O ataque

O carro-forte foi explodido na manhã desta segunda-feira (6) em trecho da BR-230 no município de Pedras de Fogo, em área próxima a canaviais. Este foi o sétimo ataque desse tipo registrado somente em 2018 na Paraíba. Mas, diferente das outras vezes, dessa vez a situação não terminou bem para os criminosos. O carro-forte escolhido não levava nenhum dinheiro e todos os envolvidos acabaram presos.

Perseguição

Logo após o ataque, a Polícia Militar recebeu informações de que os bandidos teriam fugido em direção à cidade de Lucena. No caminho, atearam fogo em um veículo Volkswagem Touareg, utilizado na abordagem ao carro-forte. Do ponto onde esse carro foi deixado, o bando fugiu em uma picape Strada. Porém, quilômetros adiante, um dos pneus desse veículo estourou e os bandidos tomaram outra picape Strada por assalto, na qual conseguiram chegar à granja que servia de base para o bando.

Essas trocas de veículo colocaram a polícia na rota da quadrilha, porque a última picape usada pelos assaltantes era equipada com rastreador e o sinal do equipamento mostrou a localização exata de onde estavam. Os policiais do Bope chegaram ao esconderijo dos assaltantes, onde foram recebidos a bala. Após várias trocas de tiro, os policiais conseguiram cercar a casa, sem que os bandidos conseguissem fugir. Os quatro acusados ficaram encurralados dentro de casa.

Feridos

Os tiros disparados para forçar a parada do carro forte atingiram dois vigilantes, que foram socorridos pela ambulância do Resgate da Polícia Rodoviária Federal. No final da tarde, o Hospital de Trauma informou que um dos vigilantes, de 27 anos de idade, recebeu atendimento médico e estava em situação regular.  O hospital não detalhou a gravidade do ferimento. O outro vigilante, de 25 anos de idade, foi atendido e recebeu alta médica, por volta das 15h.

Durante a troca de tiros com os bandidos, um militar identificado por Cabo Menezes, do Bope, foi ferido com um tiro de raspão na mão. Segundo o major Ferreira, por não ser um ferimento grave, o militar não precisou ser socorrido e continuou na operação para prender os assaltantes.

* Com Ainoã Geminiano, do Jornal CORREIO.

Notícias mais lidas