Início Política

Câmara de Campina debate incentivo à doação de órgãos

A Câmara Municipal de Campina Grande realizou nesta terça-feira (5), às 10h, uma audiência pública para debater sobre a política de doação de órgãos e tecidos na Paraíba.

O transplante de órgãos é um procedimento cirúrgico que consiste na reposição de um órgão ou tecido. Os órgãos doados vão para pacientes que necessitam de um transplante e estão aguardando em lista única, definida pela Central de Transplantes da Secretaria de Saúde de cada estado e controlada pelo Sistema Nacional de Transplantes (SNT).

Segundo o secretário de Saúde da Paraíba, Geraldo Medeiros, a Paraíba estava em um patamar baixo, dentro de um nível nacional, com o pior desempenho em relação a doação de órgãos e transplantes. Mas para melhorar a situação, o Estado promoveu mudanças nas centrais de transplantes e isso fez o estado evoluir no percentual de doações no país.

Homenagem a doador

Eliane Silva, teve seu filho homenageado na audiência. Erick Silva, de 11 anos, faleceu na quinta-feira (31), devido a uma complicação cerebral enquanto jogava futebol e teve os órgãos doados. “É uma tristeza grande pela perda, era meu filho, meu companheiro, mas estou feliz por saber que ele salvou vidas. Uma aqui na Paraíba e duas em São Paulo”, contou.

Em meio a indecisão de permitir ou não a doação dos órgãos do seu filho, Eliane pensou na vida da sua outra filha, de 3 anos, tomou como incentivo e decidiu tomar a decisão. “Se isso acontecer, não tenha nenhuma dúvida de doar”, incentivou.

Como ser um doador de órgãos

Para ser um doador, a pessoa interessada deve apenas conversar com sua família sobre a sua vontade, e deixar claro que eles, devem autorizar a doação de órgãos.

No Brasil, a doação de órgãos só será feita após a autorização familiar. Pela legislação, não há como garantir efetivamente a vontade do doador. Por isso, a informação e o diálogo são fundamentais. A previsão legal permite maior segurança aos envolvidos, tanto para o doador quanto para o receptor e para os serviços de transplantes.

Existem dois tipos de doador. O primeiro é o doador vivo, que pode ser qualquer pessoa que concorde com a doação, desde que não prejudique a sua própria saúde. O doador vivo pode doar um dos rins, parte do fígado, parte da medula óssea ou parte do pulmão. Pela lei, parentes até o quarto grau e cônjuges podem ser doadores. Não parentes, só com autorização judicial.

O segundo tipo é o doador falecido. São pacientes com morte encefálica, geralmente vítimas de catástrofes cerebrais, como traumatismo craniano ou AVC (derrame cerebral).

 

Comentários

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será revelado.

publicidade
© Copyright 2021. Portal Correio. Todos os direitos reservados.