HIV
Teste para HIV/AIDS, Hepatites B e C e Sífilis (Foto: Divulgação/Mazinho Gomes)

Casos de HIV aumentam 2.350% em dez anos entre jovens na PB

Dados alarmantes são da Secretaria de Saúde e mostram que o estado vive uma epidemia do vírus, onde os casos se multiplicam pela falta de prevenção

604
COMPARTILHE

Os casos registrados de infecção pelo vírus HIV aumentaram 2.350% em dez anos em pacientes entre os 20 e 29 anos na Paraíba. Os dados alarmantes são da Secretaria de Saúde da Paraíba e mostram que o estado vive uma verdadeira epidemia do vírus, onde os casos se multiplicam pela falta de prevenção. O número de mortes passou de 96 para 140 nesse período.

Leia também: Campanha de carnaval alerta contra importunação sexual

Segundo a Gerente Operacional das Infecções Sexualmente Transmissíveis (ISTs) /HIV/Aids/Hepatites Virais e presidente do Comitê Estadual de Saúde Integral da População LGBTT da Paraíba, Ivoneide Lucena, o HIV é o Vírus da Imunodeficiência Humana que se instala e se multiplica nas células do corpo humano após uma relação sexual sem camisinha com uma pessoa infectada.

Após a infecção inicial, a doença entra em seu estágio mais avançado, a Aids, destruindo as células de defesa do organismo, deixando a vítima suscetível a outras infecções, com risco bem maior de complicações de saúde.

Dados alarmantes

Além dos casos entre pessoas de 20 a 29 anos, os dados gerais da Saúde Estadual também revelam um quadro preocupante. Em 2007, foram registrados 287 casos de Aids e 25 de HIV na Paraíba. Já em 2017, foram 356 casos de Aids, aumento de 24%, e 640 de HIV, aumento de 2.460%.

No Brasil, segundo o Ministério da Saúde, 3.328 casos de Aids foram registrados entre jovens de 15 a 24 anos e em 2017 foram 4.877 casos, um aumento de 46,54%.

Medo da doença não existe mais

Para Ivoneide, a equivocada perda do medo de ser infectado pelo HIV e desenvolver Aids é ligada aos avanços medicinais, já que o desenvolvimento de medicamentos que combatem o vírus em um estágio inicial faz com que os jovens mantenham relação sexual sem camisinha cada vez mais frequentemente.

“Antigamente o diagnóstico de HIV estava diretamente ligado à morte. Agora, os medicamentos que combatem a infecção fizeram com que os jovens perdessem esse medo, já que eles confiam que uma relação sem camisinha sempre pode ser consertada com os medicamentos. Mesmo que os medicamentos tenham efeito muito alto (96% de chance de eliminação do vírus em até 72 horas após a relação sem camisinha), o risco a que eles estão se expondo é muito grande”, afirmou Ivoneide.

Papel da família e a educação sexual

Parte importante na construção de diálogo com os filhos sobre o HIV, muitos pais têm se furtado desse papel e contribuem indiretamente para a explosão do vírus.

Ao Portal Correio, a psicóloga Ana Sandra Fernandes alertou que um dos fatores que contribuem para o aumento de casos de HIV é a diminuição das campanhas governamentais sobre o tema, fazendo com que a população esqueça da importância do uso do preservativo. Entretanto, o debate familiar é um dos principais fatores para uma educação sexual correta.

“É muito importante que os pais conversem com seus filhos, o perigo é real. As primeiras orientações precisam vir da família para que os adolescentes e os jovens tenham consciência da importância da prevenção ao HIV. Se a família não abordar o assunto, com medo de que falar sobre sexo, vai incentivar os filhos a manter relações cedo; o jovem busca outras fontes que nem sempre são confiáveis e isso é um problema, pois ele poderá ser informado erroneamente e se expor a riscos”, disse a psicóloga.

Porém, em muitos casos, a abertura de diálogo entre pais e filhos torna-se um monólogo, em que pais e mães não promovem a orientação e apenas impõem o assunto sem o devido debate ou esclarecimento das dúvidas.

“A gente tem visto muita dificuldade das famílias em falar com os jovens sobre sexualidade, prevenção e retirada de dúvidas. Se um filho pensa em procurar o pai ou a mãe pra falar sobre sexo, mas imagina que eles serão grosseiros, ele desiste dessa procura. É preciso criar um clima familiar para que os filhos se sintam à vontade para perguntar, esclarecer dúvidas, sem nenhum tipo de censura. Os filhos precisam confiar e ter segurança nos pais e isso não acontece da noite para o dia, é uma construção familiar que depende muito mais dos pais”, afirmou Ana Sandra Fernandes.

Onde buscar ajuda

De acordo com Ivoneide Lucena, em suspeita de infecção após uma relação sem camisinha ou em que o preservativo tenha estourado, a população pode buscar ajuda em postos de saúde para a realização dos testes rápidos de HIV. Porém, o resultado não é conclusivo.

“Na época pós-festa, como depois do carnaval, contabilizamos aumento de 200% na procura pelo teste rápido de HIV. É importante lembrar que um diagnóstico fechado sobre infecção ou não só pode ser dado 29 dias após a relação sexual suspeita”, falou Ivoneide.

“No tratamento profilático, o paciente precisa buscar as unidades em até 72 horas após a relação sexual e toma medicação por 30 dias, que é para evitar que o vírus se replique. Esse tratamento tem 96% de chance de dar certo. Já as pessoas que possuem o HIV, tomam uma medicação que dá uma qualidade de vida boa”, concluiu Ivoneide.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your name here
Please enter your comment!

Notícias mais lidas