Estabelecimento que explorar trabalho infantil pode ter alvará cassado em JP

216
COMPARTILHE

A empresa ou estabelecimento comercial que for flagrado utilizando mão-de-obra infantil terá o seu alvará de funcionamento cassado. É o que prevê o projeto de lei apresentado pelo vereador Eduardo Carneiro (PRTB) na Câmara Municipal de João Pessoa.

Leia mais notícias de Política no Portal Correio

O parlamentar lembrou que um levantamento divulgado no início do mês pela Fundação Abrinq mostrou que 6,6% da população entre cinco e 17 anos exerce alguma atividade laboral no estado, o que dá à Paraíba a quarta pior posição no ranking nacional e o segundo pior desempenho na região Nordeste.

Segundo Eduardo, essa realidade precisa ser transformada para que se garanta o princípio da proteção integral à criança e ao adolescente instituído pelo Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA).

A atual legislação permite ao adolescente, entre 14 e 16 anos, exerça uma função que contribua para o desenvolvimento do seu processo formativo. Já entre os 16 e 18 anos, a ocupação exercida não poderá oferecer riscos à saúde nem comprometer o rendimento escolar do menor. Aos menores de 14 anos, é vedada qualquer tipo de atividade laboral. “Qualquer tipo de trabalho fora desse contexto é proibido por lei, além de representar um risco ao desenvolvimento pleno das crianças e adolescentes”, pontuou o vereador.

De acordo com a proposta, a fiscalização caberá ao Poder Executivo Municipal por meio de suas secretarias.

Após tramitar pelas comissões temáticas da Casa, o projeto deve ser votado nos próximos dias em plenário.

Leia mais notícias em portalcorreio.com.br, siga nossas
páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram e veja nossos vídeos no
Youtube. Você também
pode enviar informações à Redação
do Portal Correio pelo WhatsApp (83) 9 9130-5078.

 

Em respeito à Legislação Eleitoral, o Portal Correio não publicará os comentários dos leitores. O espaço para a interação com o público voltará a ser aberto logo que as eleições de 2018 se encerrem.

Notícias mais lidas