Início Notícias

Imagens mostram deficiências e precariedades do Trauminha em JP

O Complexo Hospitalar de Mangabeira, o Trauminha, está vivendo um verdadeiro caos administrativo, evidenciado após fiscalização do Conselho Regional de Medicina (CRM-PB), na última sexta-feira (28). Imagens da TV Correio escancararam os problemas vivenciados tanto pelos profissionais que atuam na unidade hospitalar, como também os pacientes e usuários do hospital. Veja vídeo acima.

Leia também:

O Portal Correio apurou com uma fonte que não quis se identificar, que vários membros do corpo administrativo do hospital, pediram exoneração de seus cargos ainda na última sexta-feira (28). Um deles, alegava que a Prefeitura Municipal de João Pessoa (PMJP), não prestava o apoio necessário à unidade.

“Venho por meio desta comunicar a vocês o meu pedido de exoneração à Prefeitura Municipal de João Pessoa, do cargo de diretor administrativo do CHMGTB, nesta data (28/08/2020). Após muito refletir, decidi que chegou o momento de me desligar desta função, para a qual emanei todos os meus esforços durante mais de cinco anos de gestão. Depois do ocorrido nos últimos dias, e da constatação que a falta de apoio à nossa equipe é permanente, decidi não insistir”, diz trecho do documento assinado por um dos diretores do Trauminha.

MPPB

O Ministério Público da Paraíba protocolou, nesta segunda-feira (31), uma petição à Justiça informando o descumprimento de uma sentença, que determinou, entre outras, a correção das irregularidades verificadas pelos conselhos de classe e órgãos de fiscalização, dentro das respectivas áreas de atuação, nos serviços ofertados pelo Trauminha de Mangabeira, e requerendo seu cumprimento integral.

A sentença foi prolatada em ação civil pública ajuizada pela Promotoria da Saúde da Capital para corrigir os problemas detectados no hospital.

Na petição, a promotora Maria das Graças Azevedo destaca que o MP tomou conhecimento através do CRM-PB que, devido às irregularidades encontradas na unidade hospitalar, o Conselho determinou o prazo de 48h para normalização sob pena de interdição ética do serviço profissional dos médicos plantonista da emergência. “Na presente fiscalização foram verificadas inúmeras irregularidades, apresentadas no relatório de fiscalização”.

Comentários

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será revelado.

publicidade
© Copyright 2021. Portal Correio. Todos os direitos reservados.